- FAAPA FR - http://www.faapa.info -

Três anos/Governo: Fernando Elísio Freire considera que o balanço é positivo e permitiu resolver “desafios difíceis”

Cidade da Praia, 23 Abr (Inforpress) –  O ministro de Estado, da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Fernando Elísio Freire, considera que o balanço dos três anos de governação é “muito positivo”, tendo permitido resolver “desafios difíceis” como o do crescimento económico.
Elísio Freira que falava em exclusivo à Inforpress no âmbito do terceiro aniversário da governação sustentada pelo Movimento para a Democracia e liderada por Ulísses Correia e Silva, na sequência da vitória nas legislativas de 20 de Março de 2016 com maioria absoluta, realçou que entre esses desafios se destaca o crescimento económico em “cinco vezes mais” e lembra que a reforma económica continua sendo p grande compromisso para a 9ª legislatura.
Entretanto, apontou um conjunto de reformas introduzidas pelo Governo de Ulisses Correia e Silva no sector de economia, de forma a permitir maior capacidade de produção e de produtividade das empresas.
Neste balanço dos três anos de governação, disse que em 2015 a economia cabo-verdiana crescia “muito abaixo” na ordem de 1%, mas que as reformas em curso possibilitaram a “melhoria e muito a prestação das finanças e da administração pública”, com um “reflexo muito positivo no emprego”.
Fernando Elísio Freire sublinhou que o desemprego passou dos 15 % em 2016 para cair nos 12.4%, uma queda de 3%, mas ressalvou que “o mais importante é que pela primeira vez nos últimos anos, o desemprego entre as pessoas com formação superior diminuiu, estando actualmente num dígito, assim como o desemprego jovem que caiu para 27,8 por cento, contra os 41 % de há dois anos.
A questão dos transportes também foi aflorada pelo governante como sendo outro grande desafio resolvido, passando da “transportadora aérea, TACV falida, sem aviões, sem credibilidade e sem créditos”, para uma “empresa reorganizada e reestruturada numa primeira fase e agora com a privatização dos 51% com a Icelandair”, indispensável para a criação do Hub aéreo na ilha do Sal.
SR/FP