- FAAPA FR - http://www.faapa.info -

Primeiro-ministro anuncia que os aviões da Cabo Verde Airlines “estarão brevemente no Sal”

Cidade da Praia, 02 Fev (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, disse hoje que “brevemente” pelo menos os aviões da Cabo Verde Airlines “estarão no Sal”, apesar das “séries restrições” a que o País está sujeito.
“Não é o problema de saída de Cabo Verde, é a entrada noutros países, particularmente os da Europa, que estão com casos de contágio muito elevados e criam restrições nas viagens”, indicou o chefe do Governo, ao ser instado sobre a retoma dos voos da Cabo Verde Airlines.
Ulisses Correia e Silva fez essas considerações à imprensa à margem da visita que realizou hoje à dessinalizadora do Parmarejo Grande, onde pôde verificar o aumento da capacidade instalada, que permitirá fazer a água chegar aos domicílios dos bairros de Simão Ribeiro, São Paulo, Jamaica e Monte Vermelho, todos na Cidade da Praia.
O primeiro-ministro constatou ainda que a intervenção vai ainda melhorar o abastecimento nos municípios de São Domingos e São Lourenço dos Órgãos, ambos no interior de Santiago.
Questionado por que razão Cabo Verde ainda não fechou as fronteiras, num momento em que muitos países já o fizeram por causa das novas variantes do novo coronavírus, respondeu nesse termos: “Não é um problema que se coloca particularmente ao nosso caso. Se a Europa fecha, nós não precisamos sequer fechar, porque não há voos a saírem de Portugal, da França ou de Itália”.
Em casos de voos “muito restritos”, afirmou, o País precisa de fazer um “bom controlo de quem chega e, também, de quem parte”.
Segundo o primeiro-ministro, há muito tempo que não há voos de Cabo Verde para o Brasil e vice-versa.
Um despacho da Agência Lusa, de hoje, indica que África registou nas últimas 24 horas mais 518 mortes por covid-19 para um total de 91.524 óbitos, e 11.816 novos casos de infecção, segundo os mais recentes dados oficiais da pandemia no continente.
De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de infectados nos 55 Estados-membros da organização é de 3.579.368 e o de recuperados é de 22.011, para um total de 3.074.154 desde o início da pandemia.
A África Austral continua como a região mais afectada, com 1.708.718 infectados e 49.224 mortos. A África do Sul, o país mais atingido pela covid-19 no continente, regista 1.456.309 casos e 44.399 mortes.
O Norte de África é a segunda zona mais afectada pela pandemia, com 1.091.565 infectados e 29.683 vítimas mortais.
A África Oriental contabiliza 362.616 infecções e 6.882 mortos, enquanto na África Ocidental o número de infecções é de 327.676 e o de mortes ascende a 4.113. Na África Central, estão contabilizados 88.793 casos e 1.622 óbitos.
O Egipto, que é o segundo país africano com mais vítimas mortais, a seguir à África do Sul, regista 9.360 mortes e 166.492 infectados, seguindo-se Marrocos, com 8.297 vítimas mortais e 471.438 casos.
Entre os seis países mais afectados estão também a Argélia, com 2.896 óbitos e 107.486 casos, a Etiópia, com 2.103 vítimas mortais e 138.384 infecções, e o Quénia, com 1.766 óbitos e 100.856 infectados.
O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egipto, em 14 de Fevereiro, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infecção, em 28 de Fevereiro.
A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.227.605 mortos resultantes de mais de 102,8 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.
A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.