MAP « Ce que nous vivons », un ouvrage collectif de réflexion autour du Covid-19 MAP Le Burkina Faso réaffirme son soutien à l’initiative d’autonomie au Sahara MAP Sahara: la Jordanie réitère son soutien à l’initiative d’autonomie dans le cadre de l’intégrité territoriale du Maroc MAP La famille de la Résistance à Guelmim condamne les manœuvres des ennemies de l’intégrité territoriale MAP Dakhla-Oued Eddahab: Plus de 13.000 bénéficiaires de l’initiative royale  »un million de cartables » MAP Des donateurs au chevet du Sahel central : 1,7 milliard USD mobilisé MAP Le Canada s’engage à accroître sa participation au développement du Sahel MAP L’ONU appelle à une action immédiate pour inverser la situation dans la région centrale du Sahel MAP Mysk Marrakech lance la commercialisation de son nouveau projet de luxe MAP Sahel central : l’accès humanitaire est compromis par l’insécurité (PAM)

Abertura das aulas/ Sindicatos do sector exortam professores para trabalharem


  5 Octobre      9        Société (23966),

   

Bissau, 05 out 20 (ANG) – O porta- voz dos quatro Sindicatos do sector da educação exortou hoje a todos os professores para irem dar aulas.

Em declarações à Agência de Notícias da Guiné sobre o início das aulas hoje em todo o país, Domingos de Carvalho disse os quatro sindicatos, nomeadamente, o Sindicato das Escolas do Ensino Superior (SIESI), Sindicato Nacional dos Profes
sores (SINAPROF), Sindicato Democrático dos Professores (SINDEPROF) e Frente Nacional dos Professores (FRENAPROF) numa reunião no fim de semana chegaram a conclusão de que todos os professores devem estar nas salas de aulas para lecionar.
Instado a falar das medidas prevenção de covid-19, Domingos de Carvalho disse que, de acordo com o governo, todas as condições técnicas estão criadas para que os professores e alunos continuassem a prevenir contra a pandemia.

Carvalho prometeu visitar algumas escolas para ver se de facto as regras de dsitanciamento fisico e de higiene estão a ser observadas.

Em relação a proposta do governo sobre o funcionamento das aulas inclusive em fins de semana, o sindicalista disse que aceitaram a proposta do governo.

“A covid-19 não é culpa de ninguém e daí que os sindicatos entenderem que era de facto necessário terminar o ano e concordamos com a iniciativa, mas que era apenas para conclusão do ano lectivo 2019/2020”, explicou.

Para confirmar a sua opinião, o porta-voz afirmou que o horário do ano lectivo 2020/2021 entregue aos professores não contempla as aulas para os sábados, mas apenas de segunda à sexta-feira.

Relativamente as questões levantadas pelos sindicatos que poderiam por em causa ao início das aulas que tinha sido marcado para o dia 14 de setembro, o porta voz dos Sindicatos disse que estas questões ainda não foram resolvidas, sobretudo o pagamento de algumas dívidas contraídas com os docentes.

Disse que outras situações ainda pendentes têm a ver com a aplicação integral do Estatuto da Carreira Docente bem como a devolução do dinheiro retirado no salário dos professores, em novembro de 2019 pelo anterior governo, líderado pelo Aristides Gomes, na sequência de uma greve convocada pelos Sindicatos.

Disse que o executivo aproveitou o adiamento de início das alas para se sentar com os sindicatos e explicar-lhes as diligências feitas junto do Ministério das Finanças para o pagamento de algumas dívidas aos docentes.

“As dívidas em causa são de 2003 à esta parte. E no ano lectivo 2019/ 2020 os professores trabalharam, sobretudo os de novos ingressos e contratados mas não receberam”, informou.

Interrogado sobre eventual interrupção do ano lectivo tendo em conta as situações enumeradas, disse acreditar que com a abertura ao diálogo manifestada pelo actual ministro e o esforço que o governo tem vindo a fazer para atender as exigências não vai ser tão fácil haver uma paralição das aulas no meio do ano lectivo.

Dans la même catégorie