AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Le directeur de l’hôpital général d’Adzopé relevé de ses fonctions AIP Cote d’Ivoire AIP / Le maire de Sassandra fait don de cinq tonnes de ciment au lycée moderne 2 ACP 608 nouvelles personnes vaccinées contre la Covid-19 en RDC ACP Un programme de gestion durable des forêts au menu d’un échange entre le vice Premier ministre Eve Bazaiba et l’ambassadeur de France en RDC ACP Clôture à Kinshasa des travaux préparatoires du Business Forum en RDC ACP Le ministre de l’Industrie et le DG du FPI Patrice Kitebi échangent sur les contrats signés entre la RDC et l’Egypte ACP Arrivée du Président Félix Tshisekedi en Ethiopie GNA Chief breaks ground for multipurpose Nkawkaw Palace AIP Côte d’Ivoire-AIP/L’Allemagne assure de son soutien à la HABG dans la lutte contre la corruption AIP Côte d’Ivoire-AIP/Laurent Tchagba promet une solution définitive aux problèmes d’eau dans un mois à Anyama

África Subsariana: FMI prevê um crescimento com recuperação de 3,1 por cento em 2021


  23 Octobre      28        Economie (11886),

   

Cidade da Praia, 23 Out (Inforpress) – O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que em 2021 a economia regional de África Subsariana, da qual faz parte Cabo Verde, tenha um crescimento com recuperação de 3,1 por cento (%) em 2021.
Segundo o relatório sobre as perspectivas económicas regionais para a África Subsariana deste mês de Outubro, a região está a enfrentar uma crise sanitária e económica “sem precedentes” que, em apenas alguns meses, “comprometeu anos de árduos ganhos de desenvolvimento e abalou as vidas e os meios de subsistência” de milhões de pessoas.
“As perspectivas actuais para 2020–21 permanecem, na generalidade, inalteradas face à atcualização de junho, com a contração projectada da actividade em 3,0%, em 2020, o que continua a constituir os piores resultados alguma vez registados. Para 2021, o crescimento regional deverá recuperar ligeiramente para 3,1%”, lê-se no relatório.
Estas perspectivas para a África Subsariana, onde também integra os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), conforme a mesma fonte, estão sujeitas à revisão em sentido descendente de alguns dos principais riscos, em particular no que se refere à trajectória da pandemia da covid-19 e à resiliência dos sistemas de saúde da região.
“Estes riscos são agravados pela incerteza da disponibilidade de financiamento externo; estima-se que as necessidades associadas somem cerca de 900 mil milhões de dólares em 2020–23, e as respectivas fontes, ainda por identificar, entre 130 mil milhões dólares e 410 mil milhões de dólares”, indicou o relatório.
No geral, segundo o FMI, as perspectivas da região serão moldadas pela disponibilidade de financiamento adicional e pelas reformas internas transformadoras para promover a resiliência (incluindo a mobilização de receitas, a digitalização e o fomento de uma melhor transparência e governação).
Por outro lado, essas perspectivas passam, também, por aumentar o crescimento no médio prazo, criar oportunidades para uma vaga de novos candidatos a emprego e realizar progressos no sentido dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).
Entretanto, o Fundo Monetário Internacional sublinha que, confrontados com uma crise económica e sanitária “sem precedentes”, os países actuaram rapidamente com vista a proteger os seus cidadãos do pior da crise, e que, “num contexto de elevados custos económicos e sociais, muitos têm estado a reabrir as suas economias”.
O FMI prevê, ainda, uma recessão de 4,4% em 2020 e uma recuperação de 5,2% em 2021, a nível mundial.

Dans la même catégorie