APS ABDOU KARIM SALL ANNONCE LA CRÉATION DU ’’PRIX DU CHEF DE L’ETAT POUR L’ENVIRONNEMENT (…)’’’’ APS KAOLACK : LE DG DE LA SENELEC OFFRE DES KITS ALIMENTAIRES AUX SINISTRÉS APS CORONAVIRUS : 40 NOUVELLES INFECTIONS ET 2 DÉCÈS SUPPLÉMENTAIRES APS ’’Le Joola’’ : dépôt d’une gerbe de fleurs et minute de silence à Mbao GNA Government will ensure employment security for communication sector workers GNA Akatsi-Wute road accident injures many with five in critical condition GNA Communities advised to desist from divisive politics GNA Agrihouse holds second livestock, poultry tradeshow GNA NDC votes in Volta and Ashanti regions witness decline over the years AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Visite d’Etat: Les sous-préfectures de Bonon et de Gohitafla seront érigées en départements

Alex Saab diz que polícia cabo-verdiana ocultou documentos que lhe conferem estatuto de enviado especial


  9 Septembre      8        Politique (11391),

   

Cidade da Praia, 09 Set (Inforpress) – O alegado testa de ferro de Nicolás Maduro, Alex Saab Móran voltou à carga e desta vez acusa “membros da polícia de Cabo Verde” de terem ocultado documentos que lhe conferem o estatuto de diplomata.

Numa nota enviada à Inforpress lê-se que na segunda-feira, dia 07, a equipa jurídica de Alex Saab, “detido arbitrariamente” na prisão do Sal (Cabo Verde) desde 12 de Junho, apresentou queixa contra membros da polícia cabo-verdiana.

O motivo da denúncia refere-se ao facto de que, no momento da detenção do enviado especial, foi-lhe apreendida uma pasta contendo documentos oficiais que demonstravam o carácter diplomático de sua viagem como missão especial, bem como o carácter diplomático como enviado especial.

Ainda segundo a mesma fonte, “a polícia ocultou tais documentos”, evitando que fossem conhecidos dos juízes e deles reconhecendo a inviolabilidade de Alex Saab como enviado especial e, portanto, “protegido internacionalmente”.

“Esta pasta foi devolvida dias depois sem registo do que foi apreendido ou da documentação encontrada”, prossegue.

A mesma fonte diz ainda que este “importante acontecimento”, além da “natureza criminosa” da acção, poderia levar a uma reviravolta jurídica na situação de Saab, que, segundo afirma, até agora viu seu carácter de enviado especial e sua inviolabilidade e imunidade diplomática derivada disso desconhecido.

Alex Saab Morán, de nacionalidade colombiana e com passaporte venezuelano, foi detido no Sal, a 12 de Junho, no cumprimento de um mandado internacional, emitido pela Interpol, a pedido das autoridades norte-americanas.

Os Estados Unidos consideram o empresário um testa-de-ferro do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro. A defesa – liderada internacionalmente pelo antigo juiz espanhol, Baltazar Garzón – e governo venezuelano apostam na ilegalidade da detenção, já que Saab viajaria com passaporte diplomático.

Depois de correr os transmites legais, o caso está agora na alçada do Supremo Tribunal de Justiça de Cabo Verde, quem irá decidir, ou não, pela extradição de Alex Saab para os Estados Unidos da América.

Dans la même catégorie