AIB Burkina/Kundé d’or 2019: Floby, Maï Lingani et Nabalum, nominés MAP Mozambique: le bilan du cyclone Idai augmente à 217 morts (ministre) AIB Burkina/ Putsch 2015 : Des avocats de la défense protestent en vain contre la diffusion d’éléments sonores AIB La Chine offre à nouveau des bourses d’étude d’une valeur de 4,8 millions de FCFA APS SOULEYMANE BACHIR DIAGNE : « L’ÉCOLE AFRICAINE DOIT ÊTRE UN ESPACE PLURILINGUE’’ APS « FEMME LIONNE » : LE CHOIX DU PROFESSEUR ANDRÉE-MARIE DIAGNE EXPLIQUÉ PAR LA RÉALISATRICE MAP L’adhésion de l’Ethiopie à la Zone de libre-échange continentale africaine approuvée par le Parlement LINA Over 4,000 Vessels Flying Liberian Flag LINA Liberia: Nimba Supt. Urges Media To Serve As « Wagon Of Peace » LINA Pres. Weah Attracts Big Commitments For Development From UAE

AMAE pede financiamento do governo para participar na comercialização


Bissau, 14 Mar 17 (ANG) – A Associação das Mulheres em Actividades Económicas (AMAE) solicitou hoje ao governo que a financie para poder participar na próxima Campanha de comercialização de Castanha de Cajú., cuja abertura está revista para o fim deste mês.

O pedido foi feito pela Vice-Presidente da referida associação, Antónia Adama Djaló numa entrevista exclusiva à Agência de Notícias da Guiné-ANG.

A Vice-Presidente da AMAE disse que fizerem muitos corredores no sentido de poderem ter meios fianceiros  para praticipar na Campanha de Comercialização de Castanha de Cajú mas que  até então não conseguiram nada.

«Nós mulheres, além de sermos mães também cuidamos dos nossos maridos e das nossas casas, por isso merecemos melhor atenção », refere Antónia Adama Djaló.
Acrescentou que para o desenvolvimento de qualquer que seja a sociedade é necessário força e determinação de todos, pelo que as mulheres, enquanto elementos capazes de contribuir para promoção do país, não devem ser postas de lado.

Antónia Djaló disse que a Câmara do Comércio é a entidade que tutela a AMAE, mas que até agora não forneceu  nenhuma informação sobre a campanha deste ano à associação.
Apontando-a como responsável pela difícil conjuntura económica que o pais atravessa, a vice-presidente lança um apelo aos governantes no sentido de encontrarem solução para a crise prevalecente no país.

« Todos temos a consciência clara de que a crise só prejudica e que, por isso, não há necessidade de vivermos constantemente no desentendimento.A melhor coisa é o entendimento para que o país possa voltar a normalidade», disse Djaló.

Advogou instauração  de um clima estável no pais, porque, na sua opinião, tal situação pode atrair muitos empresários estrangeiros
.ANG/AALS/JAM/SG

Dans la même catégorie