AIP Lancement des activités d’une ONG pour la promotion de la vie saine AIP Don de kits scolaires et de médicaments à des élèves d’Aboisso AIP Des populations sensibilisées à l’utilisation des contraceptifs AIP Le RHDP offre du matériel roulant pour renforcer la mobilité de la coordination régionale du N’zi AIP Visite d’État: Le ministre de l’Hydraulique inaugure le château d’ eau de Zorofla AIP La cohésion sociale et la sensibilisation contre le COVID 19 au centre du Festival « Adayé Kessiè » à Tabagne AIP Une unité de transformation de manioc construite bientôt à Grand-Morié AIP Dix-sept véhicules neufs pour les transporteurs de Divo AIP La jeunesse et la chefferie traditionnelle du Gontougo en mission pour une élection présidentielle apaisée AIP Une exposition tournante pour promouvoir la lecture du coran et livres islamiques à Abengourou

Angola/Classe jornalística atira-se contra transformação da TV Zimbo e TV Palanca em canais especializado


  4 Septembre      10        Médias (1380),

   

Bissau, 04 Set 20 (ANG) – O governo angolano pretende transformar a TV Zimbo e Palanca TV, agora sob seu controlo, em canais públicos especializados em notícias e desportos.

Jornalistas opõem-se e avisam que a medida agride a pluralidade de informação.

A Media Nova, detentor da TV Zimbo, Rádio Mais, Jornal O País e da Gráfica Damer, e a Interactive, produtora da TV Palanca e da Rádio Global, foram recuperados pelo  Estado, por serem projectos privados “arranjados” com dinheiro público.

Teixeira Cândido, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos, explica que a classe manifesta-se contra a transformação da TV Zimbo e Palanca TV em canais especializados de notícias e desportos.

Num declaração conjunta lida pelo jornalista, o grupo desafia o Governo indicar profissionais idóneos ou não-governamentais para acompanhar todo processo de transição para o sector privado.

Teixeira Cândido espera que o Governo respeite a independência da linha editorial dos referidos órgãos comunicação social, abstendo-se de quaisquer interferências directas ou indrectas.

Considera prioritário que o executivo dedique o seu esforço na melhoria da qualidade das condições de trabalho dos órgãos públicos, assim como o acesso de todos os cidadãos aos seus serviços transferindo os órgãos agora recuperados para o sector privado.

As associações profissionais recordam que a liberdade de expressão não é apenas uma componente essencial dos regimes democráticos, pois que o grau de democraticidade do Estado é também aferido pela efectividade de que gozam os seus cidadãos.

O comunicado conjunto espelha que, para que se exerça uma cidadania consciente, necessário se torna ter acesso ao máximo de opiniões, realidades que só se concretizam mediante a pluridade de informação e a diversidade de órgãos de comunicação social.

Para o grupo, o plano de transformação dos órgãos agride a pluralidade de informação e sujeita os cidadãos a um monopólio de um Estado disfarçado, o que representaria um retrocesso grave da liberdade de imprensa, violando a lei de Imprensa no seu artigo 250.

Perde, por sua vez,  transparência no processo de privatização dos canais que, recentemente, passaram para controlo do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social.

Subscreveram o comunicado, o Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), o Fórum das Mulheres Jornalistas, MISA-ANGOLA, a Associação de Imprensa Desportiva (AIDA), e Associação dos Comunicólogos de Angola (ACAN). 

Dans la même catégorie