MAP Bulletin quotidien d’informations économiques africaines MAP Bulletin de l’écologie de l’Afrique APS COVID-19 : UNE PRÉVALENCE DE 34 % CHEZ LE PERSONNEL DE SANTÉ (MÉDECIN) AIP Revue de la presse quotidienne internationale africaine (RPQI-Afrique) MAP Le Kenya reçoit son premier lot de vaccin dans le cadre de l’initiative COVAX AIP Le centre d’information et d’orientation visite les élèves du lycée moderne de Bouna AIP Législatives 2021: Jérémie N’gouan candidat pour continuer à servir les populations d’Aboisso AIP Législatives 2021: La plateforme de l’opposition à Niakara soutient la candidature de Guibessongui N’datien AIP Législatives 2021 : La liste « S’unir pour la réconciliation dans le Tonkpi, » ratisse à Man AIP Le candidat RHDP de Dabakala réitère sa volonté de continuer à redonner sa dignité aux populations

Após ouvir o TC Presidente da República vai vetar diploma que altera o Código de Processo Penal


  16 Février      12        Politique (15490),

   

Cidade da Praia, 16 Fev (Inforpress) – O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, vai vetar a proposta de lei que procede à terceira alteração do Código de Processo Penal aprovado na Assembleia Nacional por unanimidade dos deputados.
O anúncio foi feito pelo chefe de Estado num ‘post’ na sua página de rede social facebook, onde dá conta da decisão do Tribunal Constitucional (TC) sobre a fiscalização preventiva da constitucionalidade de várias normas deste acto legislativo, que tinha requerido em Janeiro.
De acordo com Jorge Carlos Fonseca, o parecer nº1/2021 do TC, de que foi notificado segunda-feira, subscrito pela unanimidade dos Juízes Conselheiros, o mais alto órgão de administração da justiça em matéria jurídico-constitucional decidiu pronunciar-se pela inconstitucionalidade da maioria das normas, confirmando, assim “as sérias dúvidas” levantadas pelo Presidente da República.
Jorge Carlos Fonseca precisou que o TC decidiu pronunciar-se pela inconstitucionalidade da norma constante da alínea c) do artigo 113º, por violação do direito à presunção de inocência do arguido (n.º 1 do artigo 35º da Constituição da República de Cabo Verde CRCV) e do direito à imagem (n.º 2 do artigo 48º da CRCV), da mesma norma da alínea c) do artigo 113º, por violação da liberdade de informação, consagrada no n.º 2 do artigo 48º da CRCV.
Adianta ainda que o TC considerou inconstitucional a norma constante do n.º 9 do artigo 228º, por violação das garantias de defesa e do direito ao silêncio, previstos no n.º 2 do artigo 35º da CRCV; a norma constante da alínea f), nº 1 do artigo 276.º, por violar o direito à liberdade, artigo 29º, nº 1 e nº 2, e 30º, nºs 1 e 2, e o direito à propriedade, previsto no artigo 69º da CRCV, a norma do nº 2 do artigo 276º, por violação do art.º 34º sobre os efeitos das penas e o direito à presunção de inocência (nº 1 do artigo 35º, ambos da CRCV).
Igualmente foi considerada inconstitucional a norma contida no nº3 do artigo 430º, por violar, directamente, o direito a um processo equitativo e as garantias de defesa, e, indirectamente, o direito à presunção de inocência do arguido artigo 35.º, nº1 e n.º 7 e artigo 35.º, nº 5).
“Assim, nos termos constitucionais (nº3 do artigo 279.º da CRCV), procederei ao veto do diploma, devolvendo-o, sem o promulgar, à Assembleia Nacional”, escreve Jorge Carlos Fonseca na sua página de rede social facebook.
A proposta de lei que procede à terceira alteração do Código de Processo Penal, aprovado pelo decreto-legislativo n.º 2/2005, de 7 de Fevereiro tinha sido aprovada em Dezembro por unanimidade dos deputados.
MJB/ZS
Inforpress/fim

Dans la même catégorie