GNA Statistical Service extends deadline for Census trainee recruitment GNA No case of COVID-19 recorded during voters registration exercise – EC GNA Africa should hold climate polluters liable – VALD GNA Labour Commission to serve GRNMA with order for compulsory arbitration GNA President presents 10,000 beds to MoH GNA Security Personnel, Casual Workers take up nurses minor roles in hospitals GNA Majority Leader calls for reforms in parties’ structure to stem monetization GNA Epixode encourages healthy rivalries among musicians GNA Kotoko donates to juvenile footballers involved in accident GNA Kotoko seeks growth through solid administrative structures

Apresentada Associação de Escritores, jornalistas, Editores e Tradutores de línguas


  4 Août      12        Médias (1372),

   

Bissau – A Guiné-Bissau dispõe a partir desta terça-feira de uma organização de apoio aos escritores, jornalistas e editores perseguidos, presos, torturados ou exilados, denominada (PEN Guiné-Bissau) que é a abreviatura de Poets, Essayists, Novelists (poetas, enssaístas e romancistas).

De acordo com a nota distribuída à imprensa na cerimónia de apresentação pública da organização, a PEN Guiné-Bissau é uma associação sem fins lucrativos e apartidária, limitada à escritores, jornalistas, editores e tradutores de línguas nacionais, e foi criada em 2013, no congresso anual do PEN Internacional, que decorreu em Outubro de 2018, em Londres, Inglaterra.

De acordo com o documento, os objectivos do PEN Guiné-Bissau são, para além dos comuns à todos os outros ( promoção de literatura, defesa da liberdade de expressão), o aumento da literacia, facilitação do acesso ao livro, elevação do hábito e gosto pela leitura e advocacia para a inclusão do ensino da literatura guineense no currículo escolar, tanto do ensino público como no privado, no país.

Na ocasião, o Presidente da PEN Guiné-Bissau, Abdulai Silá disse que para que haja um desenvolvimento da literatura tem que existir a liberdade de expressão e quando este se consolida apoia o avanço da literatura.

Por isso, assegurou, a organização irá trabalhar em defesa dos direitos humanos, em particular, no que refere a liberdade de expressão e de imprensa.

Para além disso, conforme o Presidente, pretende-se contribuir para que a literatura tenha elevação no país, porque segundo os dados disponíveis em 2014, 15 por cento da população guineense está fora do sistema escolar, o que na opinião de Sila “está-se a fabricar analfabetos”.

Abdulai Silá afirmou que organização está disponível para apoiar a criação de clube de leitores e promoção da escrita através da advocacia junto das autoridades para que a literatura guineense seja incluída no currículo escolar, por forma promover a boa imagem, o sentimento de pertença, da unidade nacional e da consolidação da nação guineense.

Segundo Silá existem actualmente Centros de PEN em mais de 100 países, incluindo a Guiné-Bissau, constituída por uma rede mundial de solidariedade activa na defesa dos direitos humanos, em particular no que toca com a liberdade de expressão e de imprensa, promovendo apoios aos escritores, jornalistas e editores perseguidos, presos, torturados ou exilados.

A PEN Internacional fundada em Londres, em 1921 era, inicialmente,,constituída por escritores, mas actualmente congrega no seu seio Jornalistas, editores, tradutores e bloguistas.

Dans la même catégorie