APS MOUSSA NDIAYE, GRANDE RÉVÉLATION DE LA COUPE DU MONDE U20 (FRANCE FOOTBALL) APS AMINATA DIOP SALL OFFERTE EN MODÈLE DE RÉUSSITE DANS LES DISCIPLINES SCIENTIFIQUES APS LA SÉCURITÉ SANITAIRE AU MENU D’UNE SESSION DE FORMATION ATOP SOTOUBOUA : LA POPULATION SENSIBILISEE SUR L’ALBINISME MAP Programme « Afrique créative »: Appel à candidatures ouvert jusqu’au 15 août prochain (AFD) ATOP SENSIBILISATION SUR L’USAGE INAPPROPRIE DES ANTIBIOTIQUES A LA FACULTE DES SCIENCES DE SANTE DE L’UK ATOP LA CECAP DRESSE UN BILAN POSITIF DE SES ACTIVITES DE 2018 ATOP JOURNEE MONDIALE DU DON DE SANG 2019 : LE CNTS APPELLE LA POPULATION A DONNER DU SANG POUR SAUVER DES VIES MAP Le Comité des Représentants permanents de l’UA tient à Addis-Abeba sa 38 session ordinaire avec la participation du Maroc AGP COPA America : la Colombie surprend l’Argentine de Messi (2-0)

Artistas africanos expõem em Paris


   

Bissau, 05 Nov 2015 (ANG) – Cinquenta e quatro pintores, escultores e fotógrafos de imagem africanos dão a sua visão sobre Africa no âmbito de uma exposição denominada « Lumiéres d’Afrique, aberto ao público no Palácio Chaillot, em Paris, França.

O evento decorre sob o lema « Direito ao Acesso à Energia » e conta com a participação de Nú Barreto, artista plástico guineense.

Trata-se de uma iniciativa do grupo « Artistas Africanos para o Desenvolvimento », uma organização filantrópica criada em 2009 por Gervanne e Matthias Leridon, em resposta aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio definidos pela ONU.

Em prelúdio à cimeira mundial sobre mudanças climáticas COP21 que vai decorrer em Paris a partir do final de Novembro, a exposição « Lumières d’Afriques » visa alertar os Estados do continente africano, para a necessidade de massificar o acesso à electricidade.

Os 54 artistas contemporâneos africanos convidados exprimem de forma figurativa, mas também através de um vídeo de 54 minutos, a sua visão sobre uma « África das Luzes », ou o direito legítimo e fundamental para o desenvolvimento de todas as sociedades humanas de terem acesso à energia.

Esta exposição, que será itinerante, está patente ao público desde quarta-feira até 24 de Novembro, simbolicamente no Palácio Chaillot, onde em 1948 foi assinada a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Vindos dos cinco PALOP estão patentes obras de Franck Ludangi de Angola, Tchalé Figueira de Cabo Verde,
Nú Barreto da Guiné-Bissau, Gonçalo Mabunda de Moçambique e René Tavares de São Tomé e Príncipe.

Nú Barreto, artista plástico guineense residente nos arredores de Paris, numa declaração a RFI, destacou que a importância da temática da exposição é uma preocupação comum nos 54 países africanos.

ANG/RFI

Dans la même catégorie