APS WASIS DIOP : « LE DANGER DES RÉSEAUX SOCIAUX EST PIRE QUE LE COVID’’ GNA MP drills boreholes for communities in Sissala East AGP Kissidougou/Administration : Tenue du premier CAP de l’année 2021. GNA TVET Education: AAM-USTED positions itself to take the mantle GNA Oil is still crucial to global economy —Prof Alhaji GNA Nomads-farmers’ conflict: Security Analyst urges Ghana to enact Ranching Law GNA Government presents health logistics to Tema hospitals GNA GILLBT launches ‘Tegbo’ New Testament Bible APS WASIS DIOP RÉAFFIRME LA VISION HUMANISANTE DE SON ART APS NDIASSANE : LE KHALIFE S’EST FAIT VACCINER CONTRE LE COVID-19 (ENTOURAGE)

Ataque cibernético: Serviços da Polícia Nacional estão a funcionar bem e não há roubo de nada – Paulo Rocha


  15 Janvier      14        Société (29256),

   

Cidade da Praia, 15 Jan (Inforpress) – O ministro da Administração Interna assegurou hoje que não houve perdas de documentos e que os serviços da Polícia Nacional estão a funcionar bem, depois de um ataque cibernético em que não há referência de nenhum país.

Paulo Rocha respondia assim a uma questão da Inforpress sobre o ataque ocorrido no dia 11 no ‘site’ da Direcção de Estrangeiros e Fronteiras, na qual na altura aparecia escrito na página em inglês ‘Hacked by Iranian Hackers Hacked by Bax 026 of Iran’, ou seja, hackeado por hackers iranianos do Irão.

Apesar disso, o governante esclareceu que não há referência de nenhum País que possa estar a atacar esta página.

“Não afirmemos que houve um ataque cibernético pelos iraquianos e nem pelos iranianos, a página da Polícia Nacional funciona naturalmente, a página do ISE, aquela de pré-registo para viajantes funciona naturalmente, apenas um acesso da página da polícia nacional que ficou condicionado, mas não há roubo de nada”, assegurou

O ministro da Paulo Rocha reconheceu que não é a primeira vez que isto acontece, tendo sublinhando que “de vez em quando acontece um pouco por todo o País situação de género”.

O governante explicou ainda que o ataque foi apenas a uma página de marketing da Polícia Nacional.

“Lá existem informações disponíveis ao público como qualquer ‘site’ e como eu digo não é o site da PN que está em causa, é um acesso desse ‘site’ é que ficou condicionado e que tinha informações como proceder para procurar vistos, como proceder para procurar autorização de residência”, precisou.

AM/HF

Dans la même catégorie