APS DES POULES ÉQUILIBRÉES POUR LA CAN DES U20 APS COVID-19 : COVAX ET PFIZER SIGNENT UN ACCORD POUR LA FOURNITURE DE 40 MILLIONS DE DOSES DE VACCIN APS THIÈS : 300 MAISONS DÉMOLIES À MBOUR 4 EXTENSION PAR LA DSCOS APS DOCTEUR SALL DE L’INSTITUT PASTEUR : « PAS ENCORE D’INFORMATION SUR LA PRÉSENCE DE NOUVEAUX VARIANTS DU COVID’’ APS COVID-19 : LES AUTORITÉS INVITÉES À VEILLER À « UNE APPLICATION RIGOUREUSE DES MESURES PRÉVENTIVES » APS GESTION DE L’ÉPARGNE : DES CDC OUEST AFRICAINES DONT CELLE DU SÉNÉGAL À L’ÉCOLE DE LA BAD APS ZLECAF : LES ENTREPRISES LES MIEUX PRÉPARÉES VONT TIRER LEUR ÉPINGLE DU JEU (SPÉCIALISTE) ANGOP COVID-19: ANGOLA REGISTA 32 NOVOS CASOS E 17 RECUPERADOS GNA Protect Children from contracting COVID-19- DCE GNA Court remands businessman for defrauding by false pretenses

Boa Vista: Cidadãos denunciam “invasão de condomínio” e agressão perpetrada pela PN


  5 Janvier      28        Société (27693),

   

Sal Rei, 05 Jan (Inforpress) – Um grupo de pessoas denunciou agressões físicas perpetradas por policiais na ilha da Boa Vista, após alguns dos elementos terem sido retirados de uma festa privada, em condomínio privado, por aquela força de segurança e conduzidos à esquadra para identificação.
O grupo de cidadãos, formado por cabo-verdianos e estrangeiros, contactou a Inforpress para relatar o que considera ser um abuso de poder e de autoridade por parte da Polícia ilha da Boa Vista”.
As agressões físicas, segundo Elton Andrade, remontam ao passado dia 01 de Janeiro, quando, por volta de uma de madrugada, foi detido, numa festa privada, por alguns membros da Policia Nacional (PN) que levaram-no para o Comando Regional, onde relata ter sido agredido com socos e bofetadas no quintal do estabelecimento policial.
Elton Andrade adianta que na altura dos acontecimentos, encontrava-se na companhia da mulher e de outros amigos, numa festa privada, num terceiro andar de um condomínio, onde a força policial ordenou que parassem a música e a comemoração de uma festa do final do ano.
“Eu e o meu amigo, que se encontrava sentado, fomos abordados pelos policiais, que nos disseram que teríamos de os acompanhar para o comando. Ainda no rés-do-chão, à porta do condomínio, começaram a nos agredir e fomos colocados dentro do carro, como se fossemos criminosos”, contou Elton Andrade, que relatou que as agressões continuaram com socos e bofetadas no quintal do Comando.
Por outro lado, o DJ da festa, Tarcísio Andrade, contou que foi levado por seis policiais, sem que em nenhum momento tenha desobedecido a ordem dos agentes para fechar o aparelho de som.
Segundo o mesmo, solicitou sempre explicações do porquê da sua detenção, que considera ter sido sem nenhuma justificação. Isto porque, conforme relatou, “não estava a fazer nada de errado” que valesse “ficar mais de três horas na esquadra para identificação”.
De acordo com o relato dos detidos, por causa das agressões tiveram que receber tratamento no de Centro de Saúde da Boa Vista, onde foram examinados por um médico que preencheu um guia de tratamento, onde o profissional que se encontrava de serviço escreveu que os queixosos somente alegaram ter sofrido agressões e que não “apresentavam nenhum tipo de lesão evidente e hematomas”.
À Inforpress, o dono do condomínio “Ca Madera”, onde decorria a festa, Fabien Damon, garantiu vai entrar em contacto com o advogado para intentar uma queixa-crime no Tribunal da Comarca da Boa Vista contra a PN, por invasão da propriedade privada.
“Sempre tentei falar com eles, para me explicarem o porquê da invasão da minha casa, até ao terraço. E para cá chegarem, aqui em cima, os policiais fizeram chantagem ao guarda que se encontrava à entrada do condomínio, e empurraram a porta para entrar”, disse.
Para ele, o mais grave foi ter visto a mulher ser agarrada com agressividade, na sua residência, e à frente de menores que acordaram assustados.
Fabien Damon denunciou ainda que aquela força de segurança apreendeu a sua motorizada, com que se deslocou ao comando para acompanhar os convidados que foram levados da sua festa privada para serem identificados.
Monica Ghermot, uma das convidadas da festa, disse estar na posse de vídeos que demonstram o que considera ter sido “um comportamento agressivo e sem justificação por parte dos policiais”, nomeadamente o momento em que um dos policiais lhe arrebata o telemóvel.
A mesma fonte “pede uma resposta e ou uma investigação para averiguar que se passou”., uma vez que, a seu ver, “comportamento deste género não se pode repetir”.
VD/JMV
Inforpress

Dans la même catégorie