ANP Zinder : 60% du cheptel vacciné dans la région, selon le Directeur régional de l’Elevage LINA Health Ministry To Launch J &J Vaccine August 5, As US Donates 302,400 Doses APS LES GUIDES TOURISTIQUES SOUHAITENT LEUR IMPLICATION DANS LA PROMOTION DE LA DESTINATION SÉNÉGAL GNA Government releases GHS 260 million for payment of fertilizer companies Inforpress Praia: Adolescente desaparecido e familiares acusam autoridades de falta de colaboração na busca GNA Ronidany set to create biggest residential hub in Ghana GNA MTN launches 2021 MoMo Month, calls for utilisation of payment platforms GNA Collins Dauda, four others granted bail in $200 Saglemi Housing Project Scandal GNA Court remands man over robbery ABP Société / Des agriculteurs de Banikoara sommés de respecter les couloirs de passage des animaux du corridor Banikoara-Kandi

Boa Vista/Uso de Máscara: Comandante da PN aponta para “campanha agressiva com coimas” quando população estiver informada sobre a lei


  10 Novembre      18        Société (34678),

   

Sal Rei, 10 Nov (Inforpress) – O comandante da Policia Nacional (PN), na Boa Vista, assegurou hoje que a campanha de sensibilização será “mais agressiva”, com aplicação de coimas, quando se entender que população está informada sobre a lei do uso obrigatório de máscara.
Em declarações à comunicação social, após uma equipa da polícia nacional cumprir mais um dia de sensibilização, Evandro Sousa adiantou que, “por enquanto”, nesta primeira fase, a campanha que se iniciou no dia 05 tem o carácter pedagógico, levando ao conhecimento do público a recém-publicada lei do uso obrigatório de máscara na via pública.
Numa ronda com elementos da PN pelas ruas do bairro da Boa Esperança durante uma campanha de sensibilização, a Inforpress constatou que a maioria das pessoas na via pública não usava máscaras, ao mesmo tempo que se notava algumas aglomerações.
Os agentes da PN falavam com as pessoas, explicando-as sobre a nova lei em vigor, e das suas implicações quando incumprida, ao mesmo tempo que em tom de apelo sensibilizavam-nas sobre a necessidade de se protegerem.
“Sim, ainda se nota alguma resistência nas pessoas, embora a maior parte já tem noção de que devem usar máscara na via pública, alguns simplesmente ignoram, ou ao avistarem a polícia retiram a máscara do bolso”, confirmou o comandante, assegurando que de um modo geral a campanha tem decorrido “na normalidade”, com acato de “bom grado” às acções de sensibilização.
Sem precisar a data, a mesma fonte avançou que “em breve” vão passar a outra fase da campanha, que será “um pouco mais agressiva”, com aplicação de coimas aos infractores, explicando, entretanto, que apesar de ainda se estar no período pedagógico “não implica que não se pode, ou não se vai aplicar coimas, ou outras medidas de repressão”.
“Mas continuamos a fazer esta campanha, e a partir de um certo momento que entendemos que toda a população esteja informada sobre a lei, a campanha de sensibilização deixa de existir e passa-se somente a aplicar coimas as pessoas mais resistentes”, frisou Evandro Sousa, informando que a campanha, que por agora acontece somente na cidade de Sal Rei, será extensiva às outras localidades da ilha da Boa Vista, nos próximos dias.
O uso de máscara ao ar livre passou a ser obrigatório, salvo algumas excepções, desde o dia 05, e o não cumprimento desta imposição é punido com multas de 1.500 a 15 mil escudos.
Ficam de fora desta obrigação os menores de 10 anos e pessoas com problemas de saúde, aplicando-se a mesma em todo o território nacional, a pessoas em situação de contacto próximo na via pública que não partilhem a mesma residência, embora com excepções também para a prática de educação física com distanciamento social e prática de etiqueta respiratória.
Este regime vai substituir o que estava em vigor desde 02 de Setembro, cujo decreto-lei estipulava o uso de máscara facial nos espaços públicos como um “dever cívico de todos os cidadãos” e que “a actuação das forças e serviços de segurança” teria apenas “carácter pedagógico e orientador”.
O incumprimento da actual obrigatoriedade dá origem a aplicação de coimas, como já se referiu, cujas receitas vão se reverter a favor do Serviço Nacional de Protecção Civil (SNPC) e do Instituto Nacional da Saúde Pública (INSP).

Dans la même catégorie