AGP Gabon/Journée nationale du Drapeau : les enfants de ‘’SOS Mwana » honorés par le ministère de la Justice ANP Elaboration du plan national de mise en œuvre des recommandations issues de l’EPU APS L’ARDN et son président honorés par l’association des journalistes noirs-américains AIP An 62: Un opérateur économique soulage des malades à Issia AIP Le tournoi Dominique Ouattara marqué par le “fair-play” à Touba AIP Le député-maire exhorte les jeunes d’Oumé à l’entrepreneuriat pour leur insertion socio-professionnelle AIP Des populations décrient la pollution de leur cadre de vie par les eaux usées d’une huilerie à Korhogo Inforpress Xadrez: Célia Rodriguez é candidata a Mestre Feminina da FIDE Inforpress PR pede “inquérito rigoroso” sobre as circunstâncias da morte do adolescente da Brava Inforpress Portugal: Associação dos Amigos de Santa Cruz aposta em acções sociais e trabalho com jovens – presidente

Brava: Jovem defende que investir na plantação de capim elefante diminui os efeitos da seca na criação animal 


  1 Décembre      44        Environnement/Eaux/Forêts (4302),

   

Nova Sintra, 30 Nov (Inforpress) – Vany Furtado, jovem de 36 anos, natural da ilha de Santiago, defendeu hoje que apostar na plantação de capim elefante diminui os efeitos da seca no sector da pecuária e garante qualidade aos criadores.

Vany Furtado, técnico-agropecuário e extensionista rural, explicou que ultimamente fez uma parceria com um criador e dono de uma área de mais de 800 metros quadrados, onde fazem plantação do capim elefante.

Segundo a mesma fonte, começou por fazer mudas em bolsas de plástico com a ideia de vender aos criadores da ilha de Santiago, mas depois, por falta de alguns equipamentos e algumas outras dificuldades, selecionou um criador na ilha Brava e fizeram uma parceria, criando um campo forrageiro.

A plantação foi feita na época das chuvas, para aproveitar a época e garantir a produtividade e depois foi feito o processo de silagem, que permite guardar o pasto para as épocas mais críticas.

Conforme realçou este jovem, com os anos de seca consecutivos, este processo ajuda os criadores nas épocas que não há pasto, “assegurando e garantindo uma alimentação com qualidade aos animais”.

“Para este ano, não conseguimos atingir o objectivo por causa da escassez das chuvas, mas vamos manter este campo verde até à próxima época das chuvas para ver se conseguimos obter uma maior produtividade e ingressar no processo de silagem e dando continuidade ao campo forrageiro”, explicou.

Vany Furtado explicou que o capim elefante é uma das plantas que permite o criador fazer “stock”, tanto no formato de silagem como no de feno.

Questionado sobre estes dois processos adequados para guardar o pasto, explicou que para fazer o feno, o capim tem de ser cortado no período entre 50 a 70 dias após a sua plantação, é secado no sol e depois guardado com a qualidade e um valor nutritivo dentro do padrão desejado.

Já a silagem é um processo onde apanham o capim elefante, é exposto ao sol por algumas horas e depois é triturado na máquina para depois ser conservado.

Como não conseguiu atingir o seu objectivo que era vender para os criadores da ilha da Santiago, Vany Furtado avançou que já há iniciativa e interesse por parte de criadores de Santo Antão e São Vicente em comprar silagem, mas que ainda é uma possibilidade, pois isso depende do “stock” existente para assegurar a exportação para outras ilhas.

Na Brava, informou que já há também alguns criadores a enveredar por esta prática, mas defende que ainda há necessidade de divulgar esta prática e as suas vantagens e fazer mais campanhas de sensibilização no seio dos criadores.

Só assim, ajuntou, é possível fazê-los entender que “este é um caminho para dar à pecuária um rosto diferente e não ser massacrado pelos anos consecutivos de pesca”.

Dans la même catégorie