AIP L’AIP remporte deux prix au Grand Prix FAAPA 2021 AIP La journée de l’entreprenariat féminin célébrée à Abidjan APS LES INVESTISSEMENTS DES ENTREPRISES CHINOISES EN AFRIQUE ESTIMÉS À 43 MILLIARDS DE DOLLARS EN FIN 2020 (LIVRE BLANC) AGP Guinée/Éducation : Pierre Kolié, 5ème de la République en sciences expérimentales au bac unique session 2020 plaide pour une bourse d’études à l’étranger AGP Guinée/Transition : Compte rendu du Conseil des Ministres AIP La Côte d’Ivoire s’offre 836 400 doses de vaccin Sinopharm pour lutter contre le covid-19 AIP La Suisse et la Côte d’Ivoire signent trois accords en matière de migration à Berne AIP Plus de 200.000 orphelins du Sida attendent d’être pris en charge en Côte d’Ivoire AIP Le Festival de l’électronique et du jeu vidéo d’Abidjan innove avec les Gaming Awards MAP Dakar: clôture de la 8e réunion du Conseil exécutif de la FAAPA par l’adoption du Plan d’action pour l’année 2022

Brava: Proprietários reclamam de constrangimentos causados por obras públicas inacabadas 


  28 Septembre      22        Travaux publics (406),

   

Nova Sintra, 28 Set (Inforpress)  – Vendedeiras do mercado municipal, proprietários de estabelecimentos comerciais e outros investimentos reclamam dos diversos prejuízos e constrangimentos que as obras na rua Padre Pio têm causado aos negócios.
Alguns dos proprietários procuraram hoje a imprensa para denunciar que os constrangimentos e prejuízos são vários, apontando produtos “cheios de terra”, dispersão dos clientes, devido à grande quantidade de terra solta no local, e entrada de pó nas máquinas, entre outros constrangimentos.
Vanderleia Araújo, uma das vendedeiras do mercado municipal, contou à imprensa que o local está sujo e os clientes já não querem entrar para fazerem compras, porque os produtos estão cheios de pó, o que influencia na durabilidade dos produtos, pois com produtos sujos estes não possuem escoamento.
Segundo a mesma fonte, é preciso tomar medidas, retirando o excesso de terra existente e regar o local, amenizando assim a quantidade de pó levantada quando passam viaturas.
António Pina, proprietário de um estabelecimento comercial, por seu lado, contou que  todos na rua e mesmo os utentes são a favor da execução das obras para a melhoria da via, mas que discordam da forma como as mesmas estão a decorrer.
“Já alertamos a câmara municipal sobre esta situação, já informamos a empresa responsável pela obra porque esta situação não nos deixa ter paz no nosso comércio, porque por mais que limpemos os produtos estes se encontram sempre sujos”, disse a mesma fonte.
Além da questão do negócio, o mesmo apontou que a situação prejudica também a saúde dos utentes, reforçando que o mais grave é que a estrada já se encontra calcetada, já passaram cilindro, ficando por retirar o excesso de terra ou regar o local, o que não foi feito até agora.
Ermelinda Pinto, moradora e proprietária de um bar, mostrou também o seu descontentamento com esta situação, contando que há dias em que não recebe nenhum cliente, o que lhe causou vários prejuízos.
“Cozinho e ninguém aparece para comprar um prato de comida que seja por causa da terra solta na rua”, precisou.
Para além dos proprietários e moradores, os condutores e proprietários de viaturas também se dizem prejudicados, pois às vezes são obrigados a passar por esta rua porque trabalham com clientes e por mais que lavem os carros estes estão sempre sujos.
Nesta rua, além do mercado municipal, existem estabelecimentos comerciais, banco, Electra, bar, lanchonete e residências particulares.
A Inforpress tentou contactar a empresa responsável pela execução da obra, mas o responsável não se encontra na ilha e as diligências feitas para contactar o responsável pelo pelouro do Saneamento não resultaram.

Dans la même catégorie