ANG Bancada Parlamentar de PAIGC promete mover queixa contra mesa da ANP ATOP SANTE DES MERES ET DES ENFANTS DU TOGO : L’ONG « COURSIER D’HOPITAL INTERNATIONAL » SIGNE UN PARTENARIAT AVEC L’ATBEF ATOP LA PRESIDENTE DE LA HAUTE COUR DE JUSTICE DU BENIN ET L’AMBASSADEUR DU SENEGAL AU TOGO CHEZ LE PREMIER MINISTRE ATOP EDITION 2020 DE LA JOURNEE INTERNATIONALE DE LUTTE CONTRE LE SIDA : UNE CONFERENCE DEBAT MARQUE LA CELEBRATION APS PLAIDOYER DE MAIRES POUR PLUS DE MOYENS DE LUTTE CONTRE LES FEUX DE BROUSSE APS LE SYNTTAS DÉCRÈTE 72 HEURES DE GRÈVE RENOUVELABLES APS COVID-19 : LANCEMENT DE L’ALLIANCE POUR LA RÉPONSE À L’INFODÉMIE SUR LE CONTINENT APS LE COORDONNATEUR DE L’UVS PRÔNE UNE POLITIQUE GLOBALE D’USAGE DU NUMÉRIQUE AIP L’extinction de la télévision analogique démarre à partir du 1er janvier 2021 AIP Save the children présente son plan opérationnel 2020 sur l’éducation des OEV à Bondoukou

Cabo Verde aponta a revisão do sistema tributário no próximo ano


  10 Novembre      9        Société (25534),

   

Cidade da Praia, 10 Nov (Inforpress) – O Governo de Cabo Verde prevê uma revisão do sistema tributário nacional em 2021, apontando como possibilidades alterações ao modelo de benefícios fiscais ou nas bases de incidência do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA).
A posição consta do documento com as diretrizes da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2021, que será discutido nos próximos dias no parlamento cabo-verdiano, e que estabelece a necessidade de “revisão do sistema tributário nacional”.
No documento, o Governo refere que o sistema tributário cabo-verdiano “vem sofrendo profundas alterações fruto de reformas e ajustamentos ao longo da última década”. Contudo, sublinha que apesar desse “grande salto qualitativo” ainda subsistem “aspectos a serem melhorados tendo em conta o equilíbrio na distribuição da carga tributária, os objectivos macroeconómicos do país e a tendência da fiscalidade internacional”.
Daí que o Governo admita que “podem ser objecto da revisão com intuito de introduzir uma melhoria substancial da eficiência e eficácia tributária e organizacional”, desde logo na atribuição de benefícios fiscais.
Também a “distribuição da carga tributária entre as diversas categorias de rendimento, a tributação de rendimentos de capitais, do comércio eletrónico, as bases de incidência do IVA” ou a própria “estrutura e modelo organizacional” da Administração Tributária são possibilidades admitidas.
O Governo cabo-verdiano prevê que as receitas com impostos voltem a ultrapassar 20% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021, acima de 366 milhões de euros, depois da forte quebra este ano, devido à crise provocada pela covid-19.
Os documentos de suporte à proposta de lei de Orçamento do Estado para 2021, ainda fortemente marcado pela crise sanitária e económica provocada pela pandemia, apontam que as receitas fiscais em Cabo Verde deverão ter um peso de 20,9% do PIB no próximo ano, depois dos 18,5% previstos para 2020, enquanto em 2019 e 2018 foi, respetivamente, de 21,5% e 21,8%.
Para o próximo ano, trata-se de uma recuperação esperada de 19,6%, face a 2020, com o Governo a esperar arrecadar 40.600 milhões de escudos (366,7 milhões de euros) em impostos em 2021.
No Orçamento Rectificativo para 2020, que entrou em vigor em Agosto, aprovado devido à pandemia de covid-19, o Governo inscreveu a previsão de arrecadar 33.953 milhões de escudos (306,6 milhões de euros) com a receita fiscal, uma quebra de 19,2% face a 2019.
Para o próximo ano, a previsão do Governo é de arrecadar 16.028 milhões de escudos (144,7 milhões de euros) com o Imposto sobre o Valor Acrescentando (IVA) e 10.993 milhões de escudos (98,7 milhões de euros) com o Imposto sobre o Rendimento, as duas principais receitas fiscais do Estado, que voltam assim a estar ao nível de 2018, quando os impostos renderam em Cabo Verde 40.519 milhões de escudos (365,8 milhões de euros).
A proposta de Orçamento do Estado para 2021 ascende a 77.896 milhões de escudos (706,4 milhões de euros), o que corresponde a um aumento de 27,3 milhões de euros em relação ao Orçamento Rectificativo ainda em vigor, elaborado devido à crise provocada pela pandemia de covid-19.
Depois de uma recessão histórica, entre 6,8% e 8,5% este ano, as previsões do Governo apontam para um crescimento económico no próximo ano de 4,5%, mas só se o país conseguir controlar a pandemia e se verificar um desconfinamento em todo o mundo para potenciar o turismo.
Para o próximo ano económico – marcado pela realização de eleições legislativas e presidenciais -, o Governo cabo-verdiano prevê ainda uma inflação de 1,2%, défice orçamental de 8,8%, uma taxa de desemprego a reduzir de 19,2% para 17,2% e uma dívida pública de 145,9% do PIB.

Dans la même catégorie