GNA Ghana identifies Pfizer and Modena COVID-19 vaccines for deployment GNA Teshie Tafo engulf with filth, pleas with government for help GNA MTN Ghana Foundation commissions library project at Ebenezer SHS Inforpress VII Fórum “Pensar Safende” debate novas perspectivas e desafios do bairro Safende Inforpress Porto Novo: Associação de pescadores mobiliza cerca de mil contos para montagem de loja de materiais de pesca Inforpress Propriedade Intelectual: IGQPI quer adoptar o País de um sistema “robusto e adequado” APS CAF : MACKY SALL APPORTE SON ONCTION À LA CANDIDATURE DE AUGUSTIN SENGHOR APS LA QUESTION DES JEUNES AGRI-PRENEURS AU MENU D’UN ATELIER APS MACKY SALL RAPPELLE SON ‘’SOUTIEN SANS FAILLE’’ À LA LUTTE CONTRE LES VIOLENCES FAITES AUX FEMMES AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Dr Sidibé Daouda réélu à la tête de la fédération ivoirienne des sports universitaires

Cabo Verde terá “o mais tardar até Janeiro de 2021” um embaixador residente na Guiné-Bissau – primeiro-ministro


  20 Novembre      1        Société (25190),

   

Cidade da Praia, 20 Nov (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, disse quinta-feira que Cabo Verde terá, “o mais tardar até Janeiro de 2021”, um embaixador residente na Guiné-Bissau, garantindo que já há indicações de quem poderá ser o representante diplomático.

O chefe do Governo fez esta revelação durante a cerimónia de apresentação pública da instalação da referida embaixada, realizada no Palácio do Governo.

“O mais tardar até Janeiro. Poderemos, eventualmente, faze-lo antes. Já há indicações de quem poderá ser o embaixador, mas não posso dizer o nome porque isto depois percorre os seus trâmites, tem que se fazer a acreditação, a nomeação e só depois a instalação”, afirmou.

Nas suas declarações proferidas durante o acto, Ulisses Correia e Silva frisou que o arquipélago cabo-verdiano está assim a retribuir aquilo que a Guiné-Bissau fez, por iniciativa pioneira, em 2018, quando instalou em Cabo Verde a sua embaixada, a funcionar com um embaixador residente.

Para o governante, a instalação da embaixada de Cabo Verde na Guiné-Bissau poder ser vista como uma ponte para se reforçar a ligação do arquipélago com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e com a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), organizações em que ambos os países estão inseridos.

“Precisamos ter também espaços que dêem o sinal claro da vontade política e de comprometimento com essas duas organizações das quais nós pertencemos”, prosseguiu Ulisses Correia e Silva, reafirmando que o seu governo foi o primeiro a criar o cargo de ministro de Integração Regional, com a intencionalidade de fazer com que políticas integradas tenham uma “cara de representação”.

Por seu turno, o embaixador da Guiné-Bissau em Cabo, M’Bala Alfredo Fernandes, referiu-se a concretização de um projecto que já vinha de há muito tempo, ressaltou que a história uniu os dois povos em séculos de “dor e de esperança, carregada de simbolismos e de espírito de unidade”.

“Decidiu-se em bom momento, em 2011, criar o primeiro Consulado Geral de Guiné-Bissau em Cabo Verde. Esse consulado geral trabalhou no sentido de ajudar a integrar e organizar melhor a nossa comunidade residente”, continuou o diplomata, revelando que, tendo em conta os dados e as fontes estatísticas díspares, estima-se que esteja a viver em Cabo Verde entre sete e dez mil guineenses.

“Sentem-se em casa. Costumamos dizer que há uma falta administrativa, mas não é falta de apoio social, não é falta de sentirem-se em casa numa terra que os acolheu e onde estão a trabalhar e formar as suas famílias”, finalizou.

GSF/AA

Dans la même catégorie