MAP La BAD et Inwi scellent un partenariat pour soutenir les start-up innovantes MAP Remise du prix Brahim Akhiat pour la diversité culturelle dans sa 2ème édition MAP M. El Malki se félicite du cheminement de la coopération avec le FOPREL MAP Une association marocaine lauréate du Prix Prince Mohamed Ben Fahd pour la meilleure action caritative MAP Le Maroc, pionnier dans la lutte contre la pandémie du coronavirus (Nabil Benabdallah) MAP Groupe de soutien à l’intégrité territoriale du Maroc à Genève: plein appui à la souveraineté du Royaume sur son Sahara MAP Marrakech : Immersion dans l’univers artistique d’Isabel Alonso Vega et Bence Magyarlaki MAP Covid-19: le HCR et la JICA mettent en place un projet de 275.000 dollars en faveur des réfugiés résidant au Maroc MAP L’artiste-plasticien Abderrahim El Hassani expose ses œuvres à Fès AGP Boké/société: Le siège de la préfecture, nouvelle cible des voleurs de motos

Caso Alex Saab poderá pôr em causa a postura de Cabo Verde como um país de direito democrático – UCID


  16 Février      18        Société (29244),

   

Cidade da Praia, 16 Fev (Inforpress) – O vice-presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) considerou segunda-feira que a detenção do venezuelano/colombiano Alex Saab poderá pôr em causa a postura de Cabo Verde “como um país de direito democrático”.
A UCID, segundo uma nota enviada à Inforpress pelo seu vice-presidente, Júlio de Carvalho, vem acompanhando, “com muito interesse”, o desenrolar dessa situação, por isso pede ao Governo que ausculte os partidos políticos e individualidades experientes sobre este caso.
“Considerando o impacto internacional que este assunto pode trazer para Cabo Verde, a UCID acha que não deve ser tratado com ligeireza e sem a contribuição dos outros partidos políticos e quiçá com auscultação de individualidades experientes e com reputação nacional e internacional, tratando-se a política externa um assunto amplamente aceite como de consenso nacional”, lê-se na nota.
Para a UCID, Cabo Verde, durante todo o seu percurso como uma nação independente, pautou sempre, e na medida do possível, por uma postura de “não-alinhamento rigoroso e posicionamento como País útil para resolução de conflitos”, na medida das suas possibilidades.
Entretanto, prosseguiu, hoje a UCID vê com preocupação que o País está a ter uma “tendência para alinhamentos”.
Este facto, segundo a mesma fonte, tem feito com que certos países explorem as fraquezas de Cabo Verde, utilizando factores de “pressão e puxando pelos seus interesses” em conflitos políticos e geoestratégicos particulares, com “completo desprezo” pelas instituições e interesses cabo-verdianos.
“O caso do senhor Alex Saab é testemunho acabado desta exploração, tentando as partes envolvidas num conflito que não é nosso arrastar o País para posições e interesses que também não são nossos” repudiou, culpando o Governo que, a seu ver, “por arrogância, incompetência ou outros interesses obscuros” não actuou “decididamente e em tempo”, para evitar que isso acontecesse.
Para Júlio de Carvalho, nem tudo está perdido, caso o Governo deixe que as instituições da justiça funcionem e “sem pressões” políticas internas ou externas.
“A UCID encoraja e exige do Governo que deixe claro a todos que para Cabo Verde o que interessa é o funcionamento independente das instituições judiciais, incluindo a nossa responsabilidade em relação ao tribunal regional de Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO)”, disse, apelando a autoridade nacional a acatar as decisões judiciais que saem das instâncias judiciais da CEDEAO.
A UCID pediu ainda às autoridades que tenham em atenção “manobras diplomáticas obscuras, pressões de qualquer tipo ou promessas truculentas e descabidas que não surtirão efeitos”.
“Outra vez repetimos que neste processo, Cabo Verde aplique a lei da República, e com respeito pelo direito internacional que inclui convenções e tratados multilaterais e bilaterais de que somos parte. Há, pois, que aproveitar esta situação para exemplarmente afirmar o nosso Estado como de Direito Democrático”, rematou.
Alex Saab Morán foi detido no dia 12 de Junho, na ilha do Sal, e aguarda desde o dia 16 de Julho o final do processo de extradição para os Estados Unidos.
AM/CP
Inforpress/Fim

Dans la même catégorie