AIP Des Ivoiriens de la diaspora s’activent pour la relance économique post – COVID-19 AIP Côte d’Ivoire-AIP/ JIF 2021: Pr Ly Ramata Bakayoko annonce des innovations et invite les femmes à se l’approprier AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Législatives 2021: Le nouveau député de Zuénoula commune salue l’esprit d’apaisement du scrutin Inforpress PERFIL: “Sou agricultora e feliz mesmo que tiver apenas arroz para cozinhar” – Lúcia Monteiro Inforpress São Vicente: “É evidente que a desigualdade social está a aumentar em Cabo Verde” – líder do PAICV Inforpress Manifestações sindicais exigindo o cumprimento das promessas feitas pelo Governo são “partidárias” – MpD GNA Village Savings and Loans scheme empowering rural women in Adansi north GNA Koforidua GPRTU intensifies road safety campaign GNA Ultra-Modern Plaza being built for Essikado APS LE PRÉSIDENT DU NIGER, MAHAMADOU ISSOUFOU, LAURÉAT DU PRIX IBRAHIM 2020

Caso Catchura/Procuradoria Geral abre inquérito para apurar veracidade sobre as suspeições levantadas sobre sua morte


  2 Février      18        Justice (1063),

   

Bissau, 02 Fev 21 (ANG) – A Vice Procuradora- Geral da República da Guiné-Bissau, anunciou hoje que o Ministério Público já abriu um inquérito para apurar a veracidade das suspeições levantadas sobre a morte do activista e Jurista Bernardo Catchura ocorrida no último fim de semana, em Bissau.

“A morte deste jurista está a ser associada a eventual negligência ou culpa de alguém, por isso vamos tomar as devidas previdências. A Procuradoria já mandou abrir um inquérito para apurar responsabilidade de quem quer que seja”, garantiu Teresa Manuela Lopes Mendes, em declarações à imprensa.

Afirmou que o Ministério Público é o único detentor da Acção Penal, e que nessa qualidade cabe-lhe abrir um inquérito para apurar a veracidade ou não das suspeitas que tenham recaído sobre um ou outra pessoa .

A Vice Procuradora-geral da República disse compreender a inquietação dos familiares, amigos e conhecidos, mas também pede-lhes a clama, porque o Ministério Público vai assumir a sua responsabilidade que passa pela realização da investigação para apurar responsabilidades.

Bernardo Catchurá morreu no passado dia 29 de Janeiro, aos 39 anos, vítima de doença súbita numa clínica na capital guineense, após tentar sem sucesso uma cirurgia de urgência no hospital Simão Mendes, onde, segundo algumas testemunhas, não foi lhe dada a assistência necessária por “falta de oxigénio”.

Numa outra reação , o Alto Comissariado de Luta Contra a Covid-19 solicitou as autoridades competentes a abrir um inquérito para apurar responsabilidades sobre a morte do jurista Cactchura, que entretanto falecera numa clinica privada antes de ser assistida.

Esta estrutura criada para combater a pandemia da Covid-19 quer inclusive que seja objecto de inquéritos judiciais os fundos aplicados na reabilitação da fábrica de oxigénio do Hospital Nacional Simão Mendes, disponibilizados no quadro da luta contra a pandemia.

Dans la même catégorie