FAAPA : Fédération Atlantique des Agences de Presse Africaines
AIP Côte d’Ivoire: La ville de Bouna est de plus en plus envahie par des ordures AIP Côte d’Ivoire: Coup d’envoi du tournoi de football de la fraternité à Aby AIP Côte d’Ivoire : La mauvaise manipulation des armes peut entraîner un désastre (Expert) ANP Système d’information sur les marchés: Les prix des céréales demeurent stables au Niger MAP Marché de poisson à Téma (Grand Accra) : La pêche aux hommes, la vente aux femmes MAP Choléra au Niger: au moins vingt-deux morts GNA Ghana: Government delegation meet FIFA on Thursday GNA Ghana: Government to seek audience with FIFA STP-Press Portugal através Valle Flôr doa medicamentos a São Tomé e Príncipe STP-Press São Tomé e Príncipe relança cooperação económica com Burkina Faso e Senegal

« CEDEAO não foi justa nem transparente », diz Deputado Victor Mandinga


  8 Février      71        Economie (19845),

   

Bissau,08 Fev 18(ANG) – O deputado do Partido da Convergência Democrática (PCD), Victor Mandinga acusou a Comunidade Económica de Estados da África Ocidental de ter agido com injustiça e falta de transparência na sua decisão de sancionar 19 personalidades guineenses por incumprimento do Acordo de Conacri.

Em conferência de imprensa realizada hoje Victor Mandinga, um dos visados pela sanção da CEDEAO, disse que esta organização perdeu mais uma vez a oportunidade de demonstrar a sua capacidade de resolver assuntos políticos nos seus Estados Membros.

« A CEDEAO não é credível, porquanto, ao analisar a lista de sanções, a imparcialidade desta organização é posta em causa, pois colocou na lista de sanções, somente as pessoas que o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde(PAIGC) e os seus aliados internos e externos recomendaram, fechando assim a porta ao diálogo », criticou.

Victor Mandinga sublinhou que a CEDEAO não cuidou de saber quem eram as pessoas a sancionar, dando como exemplo a inclusão, sem qualquer justificação, de nomes de três magistrados em exercício.

Disse que esses nomes certamente foram indicados pelo PAIGC na vã tentativa de afastar aqueles magistrados dos processos judiciais que pendem sobre o Domingos Simões Pereira e seus aliados.

« Claro que o meu nome teria que ser incluído na lista pelo PAIGC e seus aliados internos e externos, pensando que é oportunidade de me silenciar, sancionando-me »,referiu.

O deputado do PCD salientou que cabe perguntar se é justo considerar que os 19 guineenses membros da lista de sanções da CEDEAO atentaram algum momento contra o Estado de Direito.

« Temos de perguntar aos guineenses que os 19 cidadãos em pleno gozo dos seus direitos de cidadania, adoptaram medidas ou posições contrárias à governação democrática e ao respeito do Estado de Direito », questionou.

Aquele político questionou ainda quando é que os referidos 19 cidadãos se constituíram uma ameaça séria à segurança nacional e regional ou violaram em flagrante e gravemente os direitos humanos, ou desencadearem uma catástrofe humanitária.

« A CEDEAO não é credível porquanto colocou-me na lista com o meu apelido errado para me intimidar e perseguir porque eu enquanto deputado e membro do Conselho de Estado, condenei desde da primeira hora o Acordo de Conacri porque é inconstitucional e contra a nossa soberania. E porque esta crise só pode ser resolvida entre nós os guineenses », vincou Victor Mandinga.

Dans la même catégorie