AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Présidentielle 2020: Watchard Kédjébo installe des brigades anti-désobéissance civile à Diabo et Languibonou AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Présidentielle 2020: Epiphane Zorro mobilise les militants du RHDP de Zuénoula pour la victoire de Ouattara AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Plaidoyer pour la création d’un conseil consultatif spirituel au service du gouvernement AIP Côte d’Ivoire-AIP/ COVID-19: Quarante et un nouveaux cas enregistrés le dimanche 25 octobre GNA President cuts sod for Kpone hospital, Tema Regional Hospital. GNA Wa West NABCO celebrates second anniversary GNA Don’t habour grasshopper mentality – Methodist Bishop to Ministers GNA Don’t adopt inappropriate ways to take monies from congregants – Presiding Bishop GNA Agent of Peace Campaign launched APS ORIENTATION DES NOUVEAUX BACHELIERS : LA PLATEFORME CAMPUSEN ACCESSIBLE À PARTIR DE LUNDI (MINISTÈRE)

CEDEAO/”Guiné-Bissau precisa melhorar a qualidade do ensino”, diz « Comissário da organização para educação


  28 Septembre      4        Education (3698),

   

Bissau, 28 Set 20 (ANG) – O Comissário da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para Educação, Ciência e Cultura disse que a Guiné-Bissau precisa melhorar a qualidade de ensino para estar a altura de quadro de outros países membros da organização.

Leopoldo Amado falava aos jornalistas esta segunda feira, após a audiência com o chefe de Estado.
Em declarações aos jornalistas, o comissário disse que está de férias no país e que veio reportar as autoridades aquilo que é a participação da Guiné-Bissau através de alguns órgãos importantes que país ocupa neste momento, nomeadamente o cargo de comissariado para Educação, Ciência e Cultura, que representa com dignidade e orgulho.

Amado disse que veio fazer uma visita de cortesia ao chefe de Estado e ao mesmo tempo reportar-lhe aquilo que são as dificuldades e também falar dos desafios e oportunidades que a Guiné-Bissau tem no âmbito da CEDEAO e também sobre a ciência e cultura e como o país pode aceder a meios, fundos e ajudas que a comunidade coloca a disposição dos países de Estados membros para seu desenvolvimento.

« Precisamos fazer tudo para que os nossos diplomas sejam reconhecidos lá fora, há um problema de equivalência e reconhecimento dos nossos diplomas porque a formação que produzimos não é muito respeitado lá fora, e é uma formação inflacionada aos olhos dos outros”, diz aquele responsável. »

Amado realçou que o grande desafio da Guiné-Bissau é a melhoria da qualidade de ensino, porque “precisa ser um País competitivo” pelo que deve fazer com que toda a camada juvenil fale, fluentemente, o português, Inglês e francês, para poder competir com os jovens de países de sub-região.

Dans la même catégorie