MAP CHAN-Cameroun 2021 : Résultats des matches du mardi 26 janvier ANGOP COVID-19: ANGOLA REGISTA 77 NOVOS CASOS E 61 RECUPERADOS NAS ÚLTIMAS 24 HORAS MAP CHAN des joueurs locaux (3è journée/Groupe C) : Le Maroc bat l’Ouganda (5-2) et passe en quarts de finale MAP Nigeria : Buhari remplace les principaux chefs de l’armée MAP L’accélérateur marocain « La startup Factory » reçoit le Label AFRIC’INNOV APS COVID-19 : A FATICK, LES DOUANES SE MOBILISENT CONTRE TOUT TRAFIC ILLICITE DE DOSES DE VACCINS AIP Côte d’Ivoire-AIP/Les retraités de la CGRAE se forment pour l’amélioration de leurs conditions de vie AIP Côte d’Ivoire – AIP/ Plus de 850 personnes bénéficient du FASI dans la région du Worodougou AIP Côte d’Ivoire – AIP/ 53 personnes recrutées pour les THIMO à Séguéla AIP Côte d’Ivoire – AIP/ Des intrants biologiques à la disposition des agriculteurs de Korhogo

Clima/ »Guiné-Bissau é o país mais exposto aos efeitos de distúrbios climáticos » diz o deputado José António


  15 Décembre      11        Environnement/Eaux/Forêts (2410),

   

Bissau, 15 Dez 20 (ANG) – O deputado José António Cruz Almeida criticou que a Guiné-Bissau é o país mais exposto aos efeitos de distúrbios climáticos, para além de Bangladesh, porque as autoridades competentes nacionais não se empenharam para a protecção do litoral do país.

Cruz de Almeida falava segunda-feira no parlamento no âmbito de mais uma sessão da décima legislatura que vai decorrer até Janeiro de 2021.

O deputado sustentou que o vice-governador de Bigene, localidade do Norte do país, denunciou recentemente através de um documento a forma descontrolada como a exploração da madeira está ser feita naquela zona.

« Entretanto sabemos qual é impacto que tem no nosso clima. E amanhã como é que os nossos filhos e netos vão viver ? Além disso continuamos a assistir construções nas zonas húmidas, se formos à volta de Bissau vamos ver como estão a ser cortados os tarrafes e colocados os aterros para construções de armazéns, disse. »

José António da Cruz de Almeida da bancada do PAIGC recordou que foi assinado um despacho conjunto com o presidente de Câmara Municipal de Bissau que determina a suspensão de construções em zonas húmidas mas que não está a ser respeitado.

Criticou ainda que as pessoas responsáveis pelas atribuições de terrenos nessas zonas não estão a ser responsabilizados.

Várias habitações construídas nas zonas húmidas periféricas da cidade de Bissau ficaram destruídas por força das inundações ocorridas este ano durante a época chuvosa.

Em consequência
várias famílias tiveram que ser assistidas pelo Governo em alimentos, roupas e materiais para a reconstrução das suas residências.

Dans la même catégorie