APS LES CHANTIERS DE L’OMVG RÉALISÉS À 95 % À KAOLACK (SG) APS MATAR BÂ PARTICIPE À UN SOMMET INTERNATIONAL SUR LA LUTTE CONTRE LE DOPAGE GNA UN 75th Anniversary: Time for sober reflection GNA CODEO launches training programme for regional coordinators GNA Driver jailed 30 years for robbery AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Présidentielle 2020 : Des organismes internationaux appellent à des élections apaisées en Afrique de l’ouest (Communiqué) AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Plusieurs blessés et un mort dans des heurts entre manifestants et forces de l’ordre à Bonoua AIP Côte d’Ivoire-AIP/ COVID-19: Un seul cas enregistré ce lundi 19 octobre ANGOP Angola: João Lourenço recebe mensagem de Ali Bongo sobre a CEEAC ANGOP Angola: EUA doam mais de USD 11 milhões para desminagem

Covid-19: Estudantes cabo-verdianos da China preocupados com o regresso ao país de estudo


  1 Octobre      6        Education (3671),

   

Cidade da Praia, 01 Out (Inforpress) – Os estudantes cabo-verdianos da China mostram-se preocupados por não terem ainda nenhuma indicação sobre quando é que vão regressar ao país de estudo, já que as aulas presenciais naquele país asiático retomaram no dia 31 de Agosto.
Devido à pandemia provocada pela covid-19, que teve origem na cidade de Wuhan na China, vários estudantes cabo-verdianos regressaram ao País, mas agora que a coisas “se acalmaram” naquele país, inclusive com a retoma das aulas presenciais há um mês, sentem-se “angustiados por não saberem o dia do regresso”.
Em declaração à Inforpress, a estudante da universidade Huazhong University of Science and Tecnology, Tongji Medical School, da cidade de Wuhan, Djessica Fortes, afirmou que já se nota que as coisas estão voltando ao normal, aos poucos, mas nada se sabe do dia do regresso, tanto que os seus vistos estão suspensos.
“As aulas presenciais foram retomadas desde o dia 31 de Agosto e não se sabe nada ainda sobre o regresso, pois não depende só da escola, já que o governo chinês decretou a lei de suspensão de vistos no mês de Março”, disse a aluna natural da ilha de São Nicolau, informando que quem consegue entrar naquele país asiático, são as pessoas que obtiveram o visto depois de 28 de Março e as que têm visto de negócio”.
Para Djessica, a situação está sendo “extremamente difícil”, uma vez que não se sabe a “consequência no futuro”, mas, conforme adiantou, já se sentem prejudicados, já que a parte “mais importante”, que é a prática, não conseguem acompanhar.
“Todas as aulas práticas do semestre passado estão sendo repostas de novo e vão avançando com as do novo semestre, ou seja, estão a avançar nas aulas de laboratório que não têm como serem online” realçou a estudante de medicina.
Por sua vez a aluna Nueva Tavares da Universidade de Beihua, na cidade Jilin, constatou que suas aulas iniciaram no mês de Agosto e vem acompanhando pelas plataformas digitais, pelo que, segundo ela, tem sido um “grande desafio” por causa do fuso horário, pois passa a noite inteira acordada.
Nueva, natural da ilha do Fogo, avançou que estuda Estomatologia Natural, e as aulas de laboratórios exigem uma interação diferente das aulas teóricas, tendo em conta que ali vão praticar o que se aprende.
Contudo, salientou que com as aulas online isto “não é possível”, limitando na “desenvoltura das habilidades” e prejudicando nas competências específicas, deixando-lhes em desvantagem em relação aos alunos que se encontram na universidade.
Em relação ao visto, a estudante de Estomatologia Natural adiantou que neste momento encontra-se suspenso, pelo que está a aguardar uma notificação por parte da Embaixada da China em Cabo Verde.
Por enquanto, disse que não recebeu nenhuma informação em relação à data de regresso o que considera “preocupante”.
Já Cláudio Lobo, natural da ilha de Santiago, estudante de Engenharia Industrial da Universidade de Jinan, afirmou que se sente um “pouco desorientado”, porque estava prestes a terminar o curso.
“Sinto que ainda há algo por terminar e sabendo que os colegas já estão a ter aulas presenciais na universidade, sinto-me mais ansioso e há uma pequena sensação de ter sido deixado para trás”, disse o estudante de Engenharia Industrial, adiantando que tem “muita fé” de que irá terminar os seus estudos.
“O problema é que o tempo não perdoa e temos que encontrar outras soluções”, afirmou, assegurando que já levou essas questões à professora encarregada dos estudantes de Cabo Verde na Universidade Jinan, que garantiam que iriam resolver a “maioria dos problemas” quando a situação da pandemia melhorar.
A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,4 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo o último balanço feito pela agência francesa AFP.
Cabo Verde, segundo a última actualização de covid-19, contabiliza 685 casos activos, 5.277 casos recuperados, 60 óbitos e 2 transferidos, perfazendo um total de 6.024 casos positivos acumulados.

Dans la même catégorie