MAP La BAD et Inwi scellent un partenariat pour soutenir les start-up innovantes MAP Remise du prix Brahim Akhiat pour la diversité culturelle dans sa 2ème édition MAP M. El Malki se félicite du cheminement de la coopération avec le FOPREL MAP Une association marocaine lauréate du Prix Prince Mohamed Ben Fahd pour la meilleure action caritative MAP Le Maroc, pionnier dans la lutte contre la pandémie du coronavirus (Nabil Benabdallah) MAP Groupe de soutien à l’intégrité territoriale du Maroc à Genève: plein appui à la souveraineté du Royaume sur son Sahara MAP Marrakech : Immersion dans l’univers artistique d’Isabel Alonso Vega et Bence Magyarlaki MAP Covid-19: le HCR et la JICA mettent en place un projet de 275.000 dollars en faveur des réfugiés résidant au Maroc MAP L’artiste-plasticien Abderrahim El Hassani expose ses œuvres à Fès AGP Boké/société: Le siège de la préfecture, nouvelle cible des voleurs de motos

Covid-19/ OMS diz que animal na origem da epidemia ainda não foi identificado


  9 Février      13        Santé (9429),

   

Bissau, 09 Fev 21 (ANG) – A transmissão do coronavírus de um primeiro animal e depois de um segundo antes da contaminação para humanos é a hipótese « mais provável » para explicar o início da epidemia de Covid-19, disse um especialista da Organização Mundial de Saúde (OMS) nesta terça-feira (9), ao término de uma missão conjunta de cientistas da entidade e da China em Wuhan.

Os pesquisadores, entretanto, não conseguiram identificar que animal está na origem do coronavírus.

Esta hipótese requer « pesquisas mais específicas e direcionadas », afirmou em entrevista coletiva Peter Ben Embarek, chefe da delegação da OMS que acaba de conduzir a investigação na cidade chinesa, considerada o berço da epidemia, no centro de país..

Não há evidências suficientes para determinar que a Covid-19 estava se disseminando no centro de Wuhan antes de dezembro de 2019, afirmou a missão.

A OMS disse também que considera « extremamente improvável » que a Covid-19 se deva a um erro de laboratório.  « Na verdade, não faz parte das hipóteses que sugerimos para estudos futuros », acrescentou Embarek, minimizando uma declaração do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que acusou o Instituto de Virologia de Wuhan de ter deixado o vírus escapar, de forma consciente ou não.

« Não há indicação da transmissão do Sars-Cov-2 na população do período anterior a dezembro de 2019 », ressaltou Liang Wannian, chefe da equipe da China, acrescentando que « não há evidências suficientes » para determinar se o vírus já havia se espalhado na cidade antes disso.

A metrópole central chinesa,   outrora epicentro da epidemia, foi o local do mundo onde foram notificados os primeiros casos de Covid-18.. A pandemia já ceifou mais de 2,3 milhões de vidas em todo o mundo.

Esta missão sobre as origens da transmissão do vírus aos humanos, considerada extremamente importante para melhorar os meios de combate a uma próxima epidemia, teve dificuldade para se concretizar. A China parecia muito relutante em deixar que os especialistas internacionais de várias disciplinas, como epidemiologia e zoologia, investigassem seu território.

A OMS já havia alertado que seria necessário ter paciência antes de encontrar uma possível resposta para o início desta pandemia.

A missão chinesa chega ao fim pouco depois de outros especialistas da OMS examinarem na segunda-feira (8) a vacina anti-Covid-19 da AstraZeneca, cuja eficácia agora está em questão para os idosos e contra a variante sul-africana do vírus.

A vacina da AstraZeneca/ Oxford, a primeira aplicada em massa no Reino Unido em dezembro, já foi aprovada por vários outros países e pela União Europeia. Mas alguns governos preferiram recomendá-la apenas para pessoas com menos de 65 anos ou mesmo 55 anos, por falta de dados suficientes sobre sua eficácia em idosos.

No domingo (7), a África do Sul suspendeu o início de seu programa de imunização, que deveria ocorrer nos próximos dias com 1 milhão de vacinas AstraZeneca, após um estudo que revelou eficácia « limitada » contra a variante local do vírus.

De acordo com os resultados iniciasi deste estudo, esta vacina é apenas 22 por cento eficaz contra as formas mederadas da variante sul-africana.. Ainda não há resultados disponíveis sobre sua eficácia contra as formas graves.

É « muito cedo para rejeitar esta vacina », que é « uma parte importante da resposta global à atual pandemia », assegurou Richard Hatchett, que dirige o CEPI, braço de pesquisa do mecanismo Covax, criado pela OMS tentar garantir uma distribuição equitativa dos meios de combate à Covid-19.

« Acreditamos que nossa vacina ainda protegerá contra formas graves da doença », disse um porta-voz da AstraZeneca.

Dans la même catégorie