AGP Kindia-Société : Un mort et plus de 600 millions GNF emportés dans conflit domanial à Friguiagbé AGP Kérouané-Education : Le district de Gboodou doté d’une école primaire moderne AGP Guinée-Accident de la circulation : Une cause de mortalité non négligeable ! GNA Assin North and Adansi South DISECs move to maintain peace GNA Ghana Mission in Washington, others donate $59,850 to COVID-19 Fund GNA Orange Support Centre will address SGBV issues in Ghana – UNFPA APS LE JARAAF S’ENGAGE À PAYER LA CAUTION POUR LAMINE DIACK ‘’D’ICI UNE QUINZAINE DE JOURS’’ (PRÉSIDENT) AGP Boké-Ramadan: La Fondation AMA offre des vivres à la population de la Commune Urbaine ANP La Ville de Niamey baptise deux places publiques des noms de Mounkaila Sakoira et Cheick Chaibou Ali AGP Labé-Covid-19: 43 nouveaux cas positifs à la prison civile

Covid-19/Bolsonaro diz que “pavor” em torno da pandemia mata mais do que a doença


  22 Mai      12        Monde (439),

   

Bissau, 22 mai 20 (ANG) –  O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse na noite de quinta-feira que o « pavor » em torno da pandemia da Covid-19 mata mais pessoas do que o próprio coronavírus.
« Morre muito mais gente de pavor, muitas vezes, do que do ato em si [referindo-se à Covid-19]. O pavor também mata, leva ao stress, leva ao cansaço, a pessoa não dorme direito, fica sempre preocupada », disse Bolsonaro numa transmissão em directo no seu Facebook, desvalorizando mais uma vez a pandemia, no dia em que o país atingiu um novo recorde de mortos (1.188 óbitos).
Bolsonaro lamentou as mortes devido à Covid-19 no país, que totalizou 20.047 óbitos na quinta-feira, mas frisou que « toda a gente morre um dia ».
« A vida está aí. Nós vamos embora um dia. A gente lamenta mais uma vez a morte de todo o mundo. A única certeza é que vamos embora um dia. (…) Mas temos que ter coragem de enfrentar. É como eu digo há 60 dias, [o coronavírus] é como uma chuva, você está aí fora, você vai-se molhar. Ninguém contesta que cerca de 70% da população vai adquirir o vírus », disse mais uma vez o chefe de Estado.
Na sua transmissão no Facebook, que ocorre todas as quintas-feiras, Bolsonaro voltou a afirmar que pode ter contraído o coronavírus sem ter percebido, apesar de ter entregado à Justiça três testes que realizou, usando pseudónimos, e que deram resultado negativo.
« Eu não sei se eu adquiri [o vírus]. O avião que eu vim dos Estados Unidos, tinha 32 vagas e 23 pessoas apanharam. Eu não peguei. Ou então, se eu peguei, eu não senti sintoma nenhum », reforçou o mandatário.
Jair Bolsonaro realizou os exames ao novo coronavírus após regressar de uma viagem aos Estados Unidos da América, em que pelo menos 23 pessoas da sua comitiva testaram positivo, entre eles os ministros do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e de Minas e Energia, Bento Albuquerque, ambos com mais de 60 anos, além do secretário de Comunicação do Governo, Fábio Wajngarten.
O chefe de Estado abordou ainda o protocolo divulgado na quarta-feira pelo seu Ministério da Saúde, que autorizou a administração de cloroquina até para o tratamento de casos ligeiros de Covid-19 no sistema público de saúde.
Bolsonaro afirmou que sabe « que a cloroquina não tem comprovação científica », mas defendeu que há muitos relatos de médicos sobre pacientes que tomaram o medicamento e se curaram.
« Alguns [pacientes infectados] morrem, claro, não é todo o mundo que vai tomar o remédio e ficar vivo, mas a grande maioria fica », declarou, acrescentando que a questão em torno do fármaco se tornou numa « luta ideológica ».
« Eu tomo Coca-Cola, quem quiser tomar cloroquina, toma », comparou o Presidente do Brasil.
Até agora, o protocolo apenas previa o uso de cloroquina – um medicamento usado para tratar doenças como artrite, lúpus e malária e cujos efeitos em pacientes vítimas da covid-19 estão ainda a ser estudados em diversos países, incluindo no Brasil – em casos graves de infecção pelo novo coronavírus.
Apesar de o ministério da Saúde indicar que teve em conta « diversos estudos e a larga experiência do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento de outras doenças infecciosas e de doenças crónicas no âmbito do Sistema Único de Saúde », não há evidências científicas sobre a eficácia deste medicamento no tratamento da Covid-19.
O Brasil registou 1.188 mortos e 18.508 infectados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, totalizando 20.047 óbitos e 310.087 casos diagnosticados desde a chegada da pandemia ao país, informou na noite de quinta-feira o executivo.

Dans la même catégorie