ANG Especial 24 de Setembro/Presidente da República reitera que o objectivo comum dos guineenses é “ o desenvolvimento do país” ANG Especial 24 de Setembro/Presidente senegalês declara que almeja partilhar tudo com a Guiné-Bissau GNA Keta Landing Site will come to fruition-Transport Minister GNA Humans need nature to survive – Prof Frimpong Boateng GNA Agona West Security Election committee cautioned against defacing of posters GNA Veep begins two-day working visit to Bono Region GNA O’BKAY releases an epic motivational single featuring Fameye GNA MTN sponsors 100 brilliant but needy tertiary students ANP COVID-19 : CERMES bénéficie des équipements médicaux de 32, 79 millions de FCFA de ORANO APS AVIGNON OFFRE UN BUS ET DEUX BENNES À DIOURBEL

Covid-19/Cipriano Cassamá se insurge contra declaração de estado de emergência sem aval do parlamento


  29 Juillet      9        Santé (7427),

   

Bissau,29 Jul 20(ANG) – O presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP), Cipriano Cassamá, insurgiu-se, terça-feira, contra a forma como os subsequentes estados de emergência têm sido decretados e avisou que os mesmos não podem continuar a ser decretados sem que o Parlamento tenha sido consultado, “conforme orienta a Constituição da República”.

Cipriano Cassamá falava na sessão parlamentar da X ͣ legislatura, depois da declaração do líder do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM- G
15), Braima Camará, que dissera que terá usado a sua influência junto do executivo e da Presidência da República para levantar certas restrições impostas no âmbito da prevenção contra o contágio e a propagação da pandemia da Covid-19, sobretudo no que concerne à circulação dos transportes públicos que ligam Bissau às regiões.
O presidente da ANP sublinhou que, de acordo com a Constituicão da República, antes de ser decretado o estado de emergência, o Parlamento deve ser consultado e que os deputados deveriam ter sido ouvidos a respeito, por isso, diz esperar que, tanto o Presidente da República, Úmaro Sissoco Embaló, quanto o governo, tenham conhecimento das leis e da Constituição.

“Ficamos calados porque não queremos criar conflitos. Temos que manter a relação que existe entre os órgãos de soberania, dentro do quadro constitucional. É verdade que há uma interdependência no funcionamento desses órgãos, mas dentro dessa interdependência temos o primeiro magistrado, o Parlamento, o governo e os tribunais, mas não podem continuar a sair decretos de estado de emergência sem que tenhamos sido ouvidos”, advertiu.

Braima Camará assegurara na sua alocução que, graças a sua intervenção, o governo e o Presidente da República decidiram levantar a medida de restrição de circulação de transportes públicos, devido à festa do Tabaski.

Na sequência dessas preocupações, os deputados fizeram uma série de críticas em relação à transladação de cadáveres para o interior do país e a realização de funerais neste período da Covid-19.

Por sua vez, o deputado Cipriano Mendes Pereira, do MADEM-G 15, defendeu que é necessário criar uma lei que dê competências ao ministério da Saúde Pública sobre a transladação de cadáveres e a realização de funerais de mortes por Covid-19, para se evitar de eventuais choques entre familiares, as autoridades sanitárias e os políticos.

Dans la même catégorie