MAP Côte d’Ivoire/présidentielle: la procureure de la CPI « préoccupée » par les violences préélectorales APS MACKY SALL DISSOUT LE GOUVERNEMENT ET LIMOGE LA PRÉSIDENTE DU CESE APS MACKY SALL PRÉCONISE LA MOBILISATION DU FINANCEMENT DU PACASEN ET LA FINALISATION DU STATUT DE L’ÉLU LOCAL APS ELIMINATOIRES DE L’AFROBASKET 2021 : BONIFACE NDONG RATISSE LARGE POUR SA PREMIÈRE LISTE AIP Côte d’Ivoire-AIP/ 67 nouveaux cas de Covid-19 GNA Plan Int-Gh trains 150 PTA members to support children in e-learning AGP Gabon: Le Dr Achille Tchuitcheu Nadu installé à la tête du Centre-médical de Mandji APS MACKY SALL SOUHAITE LE RENFORCEMENT DES PROGRAMMES DE CAPACITATION DES JEUNES ANGOP Covid-19: Angola regista 203 novos casos APS « OCTOBRE ROSE » : UNE CAMPAGNE DE DÉPISTAGE DE L’AMICALE DES FEMMES DU JOURNAL LE SOLEIL

Covid-19/Criado no Brasil plástico que inactiva o novo coronavírus em minutos


  16 Septembre      12        Société (24281),

   

Bissau, 16 Set 20 (ANG) – Maçanetas, botões de elevadores e até ecrãs sensíveis ao toque não poderão mais transmitir o novo coronavírus devido a um plástico adesivo desenvolvido no Brasil, que pode inactivar o SARS-CoV-2 em minutos por contacto, foi terça-feira anunciado.

Adicionar legenda
Segundo um estudo divulgado, que mostrou que o material em causa, feito de polietileno e com micro partículas de prata e sílica (óxido de silício) na sua estrutura, mostrou-se capaz de eliminar 99,84% das partículas do novo vírus após dois minutos de contacto.

Lançado pela empresa Promaflex, especializada na produção desse tipo de películas, o material foi desenvolvido pela companhia Nanox com o apoio do programa de investigação inovadora para pequenas empresas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

As normas técnicas que medem a actividade antiviral em plásticos e outras superfícies não porosas estabelecem que o material deve confirmar essa acção em pelo menos quatro horas.

Testes que seguiram a norma ISO 21702:2019, realizados no laboratório de biossegurança de nível três (NB3) do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo, mostraram que o material desenvolvido pode eliminar o vírus muito mais rápido.

“A película plástica com o aditivo mostrou-se capaz de atingir esse objectivo num tempo bem menor e a acção viricida aumentou com o tempo”, disse Lúcio Freitas Júnior, investigador do instituto, citado num comunicado divulgado pela FAPESP.

Para o estudo foram utilizadas amostras de materiais com e sem micro partículas de prata e sílica incorporadas na estrutura, que foram mantidas em contacto directo com o SARS-CoV-2 em diferentes intervalos de tempo.

Decorridos os prazos estipulados, o novo coronavírus presente nas amostras do material foi recolhido e colocado em contacto com células Vero – tipo de linhagem celular utilizada em cultivos microbiológicos – para avaliar a capacidade de infecção e multiplicação após exposição no plástico adesivo.

Os resultados indicaram uma redução de quase 100% nas cópias do SARS-CoV-2 que estiveram em contacto com amostras do plástico adesivo após dois minutos de exposição ao material.

“À medida que se adicionam micro partículas de prata e sílica à massa plástica durante a produção, a acção antimicrobiana mantém-se durante toda a vida útil do material”, indicou Luiz Gustavo Pagotto Simões, director da Nanox.

A fabricante do plástico com o aditivo recomenda, porém, o seu uso por até três meses, para evitar o desgaste do material por contacto excessivo.

A película adesiva é o segundo material plástico com micro partículas de prata e sílica comercializado pela Nanox, que desenvolveu uma máscara reutilizável feita com um plástico flexível e com o aditivo aplicado na sua superfície.

Micro partículas de prata e sílica também foram aplicadas pela Nanox em tecidos para o desenvolvimento de roupas anti-covid-19.

Nos tecidos, as micro partículas de prata e sílica são impregnadas na superfície por um processo de imersão, seguido de secagem e fixação, denominado ‘pad-dry-cure’.

O Brasil é o país lusófono mais afectado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 4,3 milhões de casos e 132.006 óbitos), depois dos Estados Unidos da América.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 929.391 mortos e mais de 29,3 milhões de casos de infecção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Dans la même catégorie