GNA Labour Commission to serve GRNMA with order for compulsory arbitration GNA President presents 10,000 beds to MoH GNA Security Personnel, Casual Workers take up nurses minor roles in hospitals GNA Majority Leader calls for reforms in parties’ structure to stem monetization GNA Epixode encourages healthy rivalries among musicians GNA Kotoko donates to juvenile footballers involved in accident GNA Kotoko seeks growth through solid administrative structures ANGOP Covid-19: Angola regista 119 novos casos GNA Panpansokroke launches four-year development plan GNA Vice President Bawumia inaugurates Oti Regional House of Chiefs

Covid-19/Ilha do Sal: Praia de Santa Maria deserta por ocasião do festival de música devido à pandemia


  14 Septembre      4        Arts & Cultures (1185), Santé (7411),

   

Santa Maria, 14 Set (Inforpress) – A cidade de Santa Maria, no Sal, que deveria estar desde sexta-feira, a pulular de gente, assinalando a 30ª edição do Festival Internacional de Música, encontra-se deserta, por causa da pandemia da covid-19, que assola o mundo inteiro.

Actualmente, o Festival da Praia de Santa Maria está entre os maiores festivais realizados em Cabo Verde, e é habitualmente constituído por uma média de 12 apresentações musicais, concentradas num período de dois dias.

Conforme reza a história, surgiu da iniciativa popular como forma de entretenimento, sem muitos preparativos e, aos poucos, foi ganhando dimensão para aquilo que é hoje conhecido.

Num primeiro momento, o objectivo era promover o espírito de convívio, as actuações tinham um carácter espontâneo, porém, em 1988 a Câmara Municipal do Sal resolveu institucionalizar o certame, e foi no dia 15 de Setembro desse ano, o Dia do Município e da padroeira da Paróquia do Sal, Nossa Senhora das Dores, no conhecido Pontão, onde se deu, oficialmente, o início ao primeiro Festival de Santa Maria.

Com o andar dos anos e a ganhar cada vez mais dimensão, é em 1997 que o festival abre as portas para o mundo, trazendo os primeiros artistas internacionais, aumentando assim a responsabilidade dos organizadores, dando mais credibilidade ao certame, e ao mesmo tempo aumentando as engenharias financeiras.

Este ano, seria o momento para se festejar a 30ª edição com pompa e circunstância se não fosse a pandemia da covid-19, provocada pelo coronavírus, que assola o mundo, e o País não fica de fora.

Para uns faz falta a festa musical, no areal, mas para outros nem por isso.

Certo é que, em tempos e dias normais, mesmo que houvesse o anúncio de chuva, o Festival de Música de Santa Maria, arrancava sexta-feira, continuando hoje sábado, em homenagem ao dia do Município e à padroeira, Nossa Senhora das Dores, assinalado a 15 de Setembro.

Todavia, com a presença da covid-19, muito cedo o autarca Júlio Lopes havia descartado a possibilidade de realização, este ano, do Festival de Santa Maria, tendo prometido apoiar os profissionais da música locais, em outros moldes o que veio a acontecer, através do projecto “Sal Fest Online”, show virtual, através do Facebook ou outro canal de comunicação ‘online’.

Júlio Lopes justificara a suspensão do Festival de Santa Maria com a falta de verba, face à nova realidade provocada pela pandemia, já que está-se a falar em valores superiores a cinco mil contos, só por parte da autarquia, embora o orçamento do evento ultrapasse os 20 mil contos.

Para algumas pessoas, a não realização, este ano, do festival não fez diferença alguma, mas para outras, faz falta a música ao ar livre, que permite o convívio, montagem de tendas, sacolas às costas, rumo aos dois dias de boa música e muita paródia.

Dans la même catégorie