GNA Martin Amidu refutes reports of Presidency following his resignation GNA Gold Fields PGA Championship: Alfred Baku urges golfers to be discipline and professional MAP Sahara: Le Président congolais exprime sa solidarité avec le Maroc GNA Partial cash bailout processes begin- SEC MAP Le Maroc insiste à l’UA sur l’intégration au niveau des Communautés économiques régionales pour atteindre les objectifs de la ZLECAF MAP La Banque centrale du Kenya maintient inchangé son taux directeur à 7 pc ATOP OTI/ LA PARTICIPATION DES FEMMES A LA VIE PUBLIQUE ET POLITIQUE: UN DIALOGUE COMMUNAUTAIRE SUR LES VIOLENCES LIEES AU GENRE A MANGO ATOP TONE : UNE DELEGATION DE L’UNION EUROPENNE EN VISITE DANS LES SAVANES ATOP EDUCATION/ 2e EDITION DU « JOUR DU PROF DE FRANÇAIS » : DEUX CONCOURS DE DICTEE ET UNE CONFERENCE-DEBAT MEUBLENT LA CELEBRATION ACP Covid-19 : la RDC est à l’entrée d’une deuxième vague de l’épidémie due au relâchement des gestes barrières, selon le Dr Muyembe

Covid-19/Ilha do Sal: Trabalhadores do Hotel Meliã protestam contra decisão da empresa em lhes pagar 11 mil escudos de salário


  3 Novembre      9        Société (25328),

   

Espargos, 03 Nov. (Inforpress) – Os trabalhadores do Hotel Meliã, em ‘lay off’, no Sal, protestam contra a “decisão unilateral” da administração da empresa que lhes quer pagar 11 mil escudos de salário, e reclamam intervenção do Governo para reposição da legalidade.

O grupo, em número de mais de 30 trabalhadores do Hotel Meliã, em situação de ‘lay off’, posicionou-se, hoje, à frente da Delegação da Direcção-Geral do Trabalho (DGT), diante ao Mercado Municipal, nos Espargos, em jeito de desagrado, para reclamar que o hotel complete os seus salários, cumprindo a lei dos 35% acordado no âmbito da pandemia de covid-19.

Em representação do grupo, em ‘lay off’ desde Março, Justino Assunção conta em declarações à Inforpress que o descontentamento deve-se à decisão unilateral, que “favorece” a própria empresa.

“Em vez de nos atribuírem os 35 por cento de salário que a lei prevê neste contexto de pandemia, querem dar-nos 11 mil escudos, para a gente ir desenrascando até ao normal funcionamento do hotel, alegadamente por não ter dinheiro para pagar”, explicou, estranhando a desculpa, já que, conforme sustentou, o grupo Meliã é uma das maiores cadeias hoteleiras, com 366 hotéis espalhados pelo mundo.

“Não é justo, estão a agir fora da lei. Cabo Verde tem lei, por isso pedimos a intervenção do Governo, do senhor primeiro-ministro, do ministro do Turismo, da Direcção Geral do Trabalho, dos sindicatos, no sentido de se fazer valer a lei, e ajudar-nos a contornar a situação”, apelou, queixando-se também dos atrasos no pagamento das compensações, principalmente por parte do Governo.

Ricardino Rodrigues, Cacá, outro empregado também descontente com a situação, a que classifica de “desrespeito e descaso” conta que a decisão foi comunicada aos trabalhadores por telefone.

“Trabalhamos no hotel desde que abriu, e na África somos considerados um dos melhores hotéis, isto porque tem também bons empregados. E é desta forma que nos tratam”, questionou, desabafando que a administração “não teve em conta” que os trabalhadores têm também família, compromissos e responsabilidades.

“Foi ontem que nos chamaram, por telefone, a dar-nos esta péssima notícia. O que vamos fazer com 11 mil escudos. Temos filhos para sustentar, renda de casa, luz e água para pagar (…). Quer dizer, a empresa valoriza os seus trabalhadores quando estão a dar o seu sangue. Nesta situação de calamidade em vez de protegidos somos afrontados. Isso que é paga”, desabafou em tom de lamento.

Cacá conclui, apelando a quem de direito a não fazer vista grossa à situação, “porque lei d’fome ka tem”.

“Pedimos a intervenção do Governo porque o que a nossa empresa, o Meliã, está a fazer connosco é uma injustiça”, exteriorizou.

Esperando, entretanto, que o problema seja resolvido, apelam mais uma vez à presença dos governantes “aqui na ilha”, para escutarem os trabalhadores em causa, para resolução da situação.

A Inforpress tentou ouvir a direcção da empresa, mas sem sucesso.

SC/ZS

Dans la même catégorie