AGP Gabon/Oyem: Le budget du conseil municipal voté à plus de 900 millions de F CFA AGP Gabon/Lutte contre le tabagisme: Une campagne d’information et de sensibilisation lancée à Libreville AGP Gabon/Education nationale: Le Sena demande plus de lisibilité sur les dossiers déjà régularisés AGP Gabon: Liliane Massala présente ses lettres de Cabinet à Louise Mushikiwabo ACP Présentation du dictionnaire essentiel des infractions environnementales en droit congolais Inforpress Porto Novo: Obras da estrada de acesso às Marcelas prevista para os próximos dias – promotores ACP Plus de 39 millions de doses de vaccins avaient été administrées dans 49 États riches, selon l’OMS ACP La deuxième vague de l’épidémie de Covid-19 se révèle plus meurtrière en Afrique qu’ailleurs, selon Africa-CDC ACP Covid-19 : l’Afrique a atteint plus de 3.310.000 cas confirmés Inforpress Fogo: Ministério da Saúde vai contratar um enfermeiro para Chã das Caldeiras – director região sanitária

Covid-19/Missão da OMS chega hoje à China para investigar origem do vírus


  14 Janvier      11        Santé (8662),

   

Bissau,  14 Jan 21(ANG) – Uma equipa de dez investigadores e especialistas da Organização Mundial de Saúde (OMS) chega hoje à China para investigar a origem do novo coronavírus, o SARS-CoV-2, detectado pela primeira vez em Wuhan, em fins de 2019.

Terça-feira, as autoridades chinesas confirmaram que a equipa de especialistas da OMS chegará à China viajando directamente para Wuhan, procedente de Singapura.

Além da OMS, a missão integra especialistas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e da Organização Mundial de Saúde Animal, estando envolvidos cientistas dos Estados Unidos, Japão, Rússia, Reino Unido, Holanda, Dinamarca, Austrália, Vietname, Alemanha e Qatar.

Em Fevereiro e Julho de 2020, duas equipas de especialistas visitaram a China com o mesmo objectivo da actual missão, mas poucos pormenores foram divulgados sobre a origem de um vírus que já provocou quase dois milhões de mortes entre os mais de 91,5 milhões de contaminações em todo o mundo.

A visita da missão à China, em particular a Wuhan, foi confirmada segunda-feira pelas autoridades de Pequim, depois de, na semana passada, ter sido anulada à última hora por falta das autorizações necessárias.

Nos últimos meses, Pequim reagiu mal aos pedidos de uma investigação independente, tendo mesmo aplicado sanções comerciais à Austrália, que insistiu nesse sentido em várias ocasiões.

As autoridades chinesas, apesar de confirmarem a visita da missão, que está prevista durar entre cinco e seis semanas, não adiantaram quaisquer pormenores sobre o programa, devendo os especialistas cumprir uma quarentena, ainda não confirmada por Pequim, logo que cheguem a território chinês.

No entanto, os sucessivos atrasos impostos pela China para aceitar uma investigação independente implica que os primeiros vestígios da infecção sejam bastante complicados para encontrar, sobretudo em Wuhan, cidade que reportou a primeira morte associada ao novo coronavírus a 11 de Janeiro de 2020.

Em Wuhan, como noutras partes da China, a pandemia esteve amplamente sob controlo na primavera e o número nacional de mortos permaneceu oficialmente em 4.634 desde meados de Maio.

A China tem sido criticada internacionalmente pela reacção inicial à epidemia, tendo vários médicos de Wuhan que evocaram a existência do vírus sido acusados pela polícia de “propagarem rumores”, enquanto um jornalista independente que cobria então a quarentena na cidade sido condenado em Dezembro a quatro anos de prisão.

Mesmo o nome da primeira vítima mortal da covid-19 continua por conhecer, sabendo-se unicamente tratar-se de um homem de 61 anos que frequentava o mercado de Wuhan, considerado como o primeiro grande foco da pandemia e que foi encerrado a 01 de Janeiro de 2020 mantendo-se, de resto, vedado até hoje, com as autoridades chinesas a não permitirem a entrada a especialistas independentes. 

Dans la même catégorie