APS CANCERS DU COL DE L’UTÉRUS ET DU SEIN : 90% DES FILLES VACCINÉES À KAFFRINE MAP Inauguration à Rabat de l’ambassade de la République de Zambie au Maroc GNA Communities urged to support women to realise their potentials GNA Ace Journalist outdoors book on life experiences in practice GNA Ace Journalist outdoors book on life experiences in practice GNA ‘Absorb Anson SHS onto the Free SHS programme’- Nana Effah Opinaman III to government GNA Kwahu- Nkwatia gets new chief after three years of chieftaincy dispute GNA The Lord’s Pentecostal Church joins fight against electoral violence GNA NITA launches Security Operations Centre APS GUÉDIAWAYE : L’AMBASSADEUR DU PORTUGAL OFFRE DES KITS SCOLAIRES À DES FILLES

Covid-19/Técnicos de saúde acantonados num dos hotéis de Bissau reclamam melhores condições de trabalho


  5 Octobre      13        Santé (7776),

   

Bissau,05 Out 20(ANG) – Cerca de 80 técnicos de saúde colocados num dos hotéis de Bissau para efeitos de atendimento aos pacientes de Covid-19, denunciam o estado de abandono em que dizem se encontrar à cerca de oito meses, com quatro meses de subsidio em atraso e falta de condições de trabalho.

Em conferência de imprensa realizada no último fim de semana, o porta voz do referido colectivo Yaia Djaló afirmou que o governo coloco
u-lhes num hotel próximo do Hospital Nacional Simão Mendes como forma de prevenção para que não levassem a doença de covid-19 para casa.
“Desde que fomos acantonados no hotel à cerca de oito meses, onde pernoitamos, deparamos com enormes dificuldades dentre as quais a falta de água, alimentação e quatro meses sem subsídio de incentivo”, explicou.

Aquele responsável afirmou que não é justo colocar as pessoas no hotel sem as mínimas condições, acrescentando que há um determinado período em que nem sequer conseguem algo para comer não obstante estarem a cumprir com as suas obrigações laborais.

“Devido ao sigilo profissional tínhamos relegado ao silêncio, mas agora como a situação está a agravar, achamos que chegou o momento de levantar a voz tendo em conta que somos seres humanos que estão a sofrer”, disse.

Yaia Djalo disse que não estão a reclamar pelo dinheiro, salientando contudo que, se existe algum subsídio de incentivo que sejam eles a beneficiar porque são eles que dão o peito salvando as vidas das pessoas.

Sublinhou que dentre os técnicos de saúde acantonados no hotel, cerca de 30 por cento não tem o vinc
ulo com o Estado e estão arriscando vidas sem nenhuma contrapartida em termos salariais.
“Com todas as situações e dificuldades que estamos a deparar, fomos surpreendidos com a informação de que devíamos abandonar o hotel desde o passado dia 25 de Setembro sem nenhuma garantia”, explicou Djalo.

Adiantou que não alojaram no hotel por iniciativa própria, mas sim por decisão do Governo e que se este entender que já chegou a altura de saírem, devem ser informados com antecedência.

“Há dois dias, as nossas refeições foram cortadas como forma de nos pressionar à abandonar o hotel e já entabulamos contactos com a Alta Comissária de Luta conta Covid-19, informando-lhe da situação que estamos a enfrentar”, disse.

Aquele responsável sublinhou que receberam garantias de Magda Robalo de que os seus subsídios serão pagos, mas que não lhes foi indicada nenhuma data para o efeito, para além da proposta de pagamento imediato de 40 mil francos cfa, entretanto recusada pelos técnicos de saúde.

Dans la même catégorie