MAP Le Maroc disposé à partager ses expériences pour accélérer la reprise du secteur énergétique en Afrique GNA Dr Chambas calls on Ghanaians to deepen democracy GNA Clergy rallies support for EC to ensure peaceful elections GNA Kotoko gear up for Champions League clash against Nouadhibou FC GNA Let’s all support the EC to deliver credible elections – Ya-Na MAP Cinq jours de deuil en Afrique du Sud en hommage aux victimes de féminicides MAP Burkina/Présidentielle: Roch Kaboré en avance (résultats partiels) MAP Le Maroc appelle à l’Union africaine au respect de la légalité et l’impératif du développement de l’Afrique ACP Plaidoyer pour la mise en place du Conseil national des interprètes en langue des signes congolais ACP Marie Tumba Nzeza reçoit les copies figurées des lettres de créance de la nouvelle ambassadrice d’Éthiopie en RDC

Covid-19/Vacina da Moderna renova esperanças na luta contra a pandemia


  17 Novembre      2        Société (25203),

   

Bissau, 17 Nov 20 (ANG) – As esperanças mundiais de vencer a pandemia de covid-19 aumentaram segunda-feira depois de a empresa de biotecnologia norte-americana Moderna ter anunciado que a sua vacina contra o novo coronavírus demonstrou uma eficácia de 94,5%.

A notícia surge uma semana depois da vacina concorrente da Pfizer e BioNTech ter sido apresentada como eficaz a 90%. Também o centro de pesquisas estatal russo Gamaleya e o fundo soberano de investimentos da Rússia reportaram 92% de eficácia para a sua vacina Sputnik V.

Os resultados da vacina da Moderna surgem de um teste clínico de fase 3 com mais de 30.000 participantes. A empresa disse esperar ter 20 milhões de doses prontas até ao final do ano.

A Organização Mundial da Saúde falou em notícias « animadoras », mas advertiu que faltam meses para uma disponibilidade generalizada das vacinas e mostrou-se preocupada com o aumento dos casos em muitos países. O director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, avisou que « uma vacina por si só não acabará com a pandemia » e que « os países que estão a deixar que o vírus se propague sem controlo estão a brincar com fogo ».

Esta terça-feira, o número de infecções no mundo pelo vírus SARS-CoV-2 superou os 55 milhões, enquanto o número de mortes ultrapassou os 1,3 milhões, de acordo com dados da Universidade de Medicina Johns Hopkins.

Os Estados Unidos são o país que lidera em número de casos e mortes, 11,2 milhões e 247.220 óbitos. Depois, os países mais afectados em número de infecções são a Índia com 8,8 milhões, Brasil com 5,8 milhões, França com mais de dois milhões, Rússia com 1,9 milhões e Espanha com 1,4 milhões.

Em óbitos, depois dos Estados Unidos, o país mais afetado é o Brasil (166.014), seguido pela Índia (130.519), México (98.861), Reino Unido (52.240), Itália (45.733 mortes), França (45.122), Irão (41.979), Espanha (41.253) e Argentina (35.727), segundo o JHU.

Um outro balanço feito pela agência francesa AFP diz que a Covid-19 provocou pelo menos 1.319.561 mortos resultantes de mais de 54,4 milhões de casos de infecção em todo o mundo.

Dans la même catégorie