AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Les services des eaux et forêts en campagne contre les feux de brousse dans le Poro AIP Côte d’Ivoire-AIP/Inter/ Football: Le Maroc abritera la CAN féminine 2022 AGP Guinée-Politique : Démission officielle du Gouvernement de Dr Ibrahima Kassory Fofana ANGOP MUNDIAL|ANDEBOL: ANGOLA PERDE DIANTE DO QATAR NA ESTREIA GNA Speaker Bagbin condemns unruly parliamentary behaviour APS SÉDHIOU : 42 KILOS DE CHANVRE INDIEN SAISIS À BALMADOU (POLICE) GNA WACCE to empower women against violent extremism GNA NGO supports flood victims in the Upper East Region GNA FDA declares zero tolerance for unregistered products GNA High Court remands man who stabs 19-year-old to death

CPLP/Secretário-executivo quer aproximar organização da União Europeia


  14 Décembre      8        Politique (14215),

   

Bissau, 14 Dez 20 (ANG) – O secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) disse domingo que um dos objectivos nos seis meses de mandato que lhe restam é o de “estreitar” as relações da organização com a União Europeia.

“O que queria nestes últimos seis meses é aproveitar a presidência portuguesa [do Conselho] da União Europeia para poder vir a estreitar as relações da UE com a CPLP”, afirmou o embaixador Francisco Ribeiro Telles em entrevista à Lusa, dois anos após ter tomado posse no cargo, a 15 de Dezembro de 2018.

Segundo Ribeiro Telles, “existe a vontade da União Europeia, existe a vontade da CPLP [de estreitarem relações].

“A UE está cada vez mais interessada em ter um foco significativo em África, e esse foco também pode passar pela CPLP”, comentou.

Assim, defendeu: “Podemos passar a ter uma relação institucional com a União Europeia”, que seria “útil” para a UE” e “seria muito útil para a CPLP” em termos de cooperação.

Aliás, um dos objectivos traçados por Ribeiro Telles no início do seu mandato foi a aproximação da CPLP a outras organizações internacionais.

Numa entrevista à Lusa, ainda antes de tomar posse como secretário-executivo, há dois anos, o diplomata português afirmou: “A minha ideia era estabelecer parcerias com organizações mais regionais que possam ser úteis à CPLP. E falo nomeadamente da União Europeia e do BAD – Banco Africano de Desenvolvimento e levar a CPLP a concorrer a projectos internacionais para os quais a União Europeia e o BAD dão contribuições financeiras”.

Agora, o responsável recordou que a CPLP assinou, “ainda este ano, um memorando para uma cooperação futura com a OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico]” e tem hoje “uma relação cada vez mais estreita com a SEGIB [Secretaria Geral Ibero-americana], ou seja, com os países da América Latina”, bem como com a OEI – Organização dos Estados Ibero-Americanos.

A OEI já é observador associado da CPLP e o bloco lusófono avança agora com o processo para ser observador consultivo da OEI, um projecto que já contou com a luz verde do Comité de Concertação Permanente da CPLP (reunião dos embaixadores que representam os nove Estados-membros da organização em Lisboa)

Ribeiro Telles considerou a parceria com a SEGIB como “muito importante”, porque na CPLP há dois países que fazem parte daquela organização, o Brasil e Portugal, e “há países latino-americanos que já são observadores associados e outros que vão entrar, que também fazem parte da SEGIB”.

“Cada vez mais o mundo está interligado e o trabalho conjunto de organizações internacionais é muito importante”, frisou o diplomata.

Outro aspecto que destaca do trabalho realizado ao longo do seu mandato é a “aproximação cada vez maior” da CPLP aos cidadãos, com o projecto da mobilidade, com uma boa parte já aprovada no último Conselho de Ministros de quarta-feira.

“Um excelente trabalho da presidência de Cabo Verde. Acho que é um marco histórico”, se o texto final for aprovado na cimeira de chefes de Estado e de Governo, em Luanda, sublinhou.

Por último, realçou o crescente interesse internacional de outros países pela CPLP, referindo-se aos Estados que nos últimos dois anos entregaram manifestações de interesse e já avançaram com processos de candidatura para serem observadores associados da organização.

“Com os Estados cujas candidaturas deverão ir à aprovação da cimeira de Luanda, a CPLP ficará com 31 países observadores associados”.

Hoje conta com 18 países observadores e uma organização, a OEI.

Isto acontece, defendeu, porque a CPLP “é uma organização única e insubstituível, presente nos quatro continentes e com um futuro à frente bastante importante”.

Do trabalho do secretariado-executivo, o embaixador lembrou ainda o facto de ter sido aprovado um novo acordo sede da CPLP no último Conselho de Ministros da passada quarta-feira, que permite à organização “ter direitos e deveres iguais aos de outras organizações internacionais” sediadas em Portugal, uma reivindicação há muito feita.

“Tudo isso são ganhos”, conclui, o diplomata.

O mandato de Francisco Ribeiro Telles à frente do secretariado-executivo da organização lusófona deveria terminar a 31 de Dezembro deste ano, mas o responsável aceitou o pedido dos Estados-membros para o prolongar até Julho de 2021.

Também a cimeira, que chegou a estar marcada para Setembro passado, foi adiada para 2021, a pedido de Angola, Estado anfitrião, entre outros motivos, por causa da pandemia de covid-19.

Assim, em Julho de 2021, Luanda deverá assumir a presidência da CPLP, até agora nas mãos de Cabo Verde, que também aceitou prolongar por mais um ano o seu mandato, e, ao mesmo tempo, deverá ser aprovado para o cargo de secretário-executivo o nome do antigo ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, Zacarias da Costa, que assumirá funções a partir daí.

Integram a CPLP nove Estados-membros: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Dans la même catégorie