ACP Mise en place un comité de pilotage pour l’appropriation de PTBA 2021 au Ministère de l’Environnement  ACP Les Bons du Trésor adjugés mardi rapportent à l’État 14,5 milliards FC ACP Le ministre des hydrocarbures clôture les travaux de constitution des dossiers géologiques ACP Lancement du processus d’élaboration de la deuxième stratégie nationale de développement de la statistique (SNDS-2) ACP L’OSCEP exhorte le Premier ministre à mettre l’accent sur l’éthique de responsabilité dans le choix des membres du prochain gouvernement ACP Willy Bakonga présente le recueil de normes de l’enseignement préscolaire ACP Arrivée à Kinshasa du Directeur exécutif mondial du PAM ACP Visite d’inspection du bureau de l’Assemblée nationale aux services administratifs ACP L’ACP classée dans le top 4 des agences des presses africaines, affirme son DG Lambert Kaboyi ACP Le Président Félix Tshisekedi préside une réunion sur la gestion de la pandémie de COVID-19 en Afrique

Crise sanitária “agravou as profundas desigualdades sociais nos níveis nacional e regional”, considera o PR


  22 Février      14        Santé (9543),

   

Cidade da Praia, 22 Fev (Inforpress) – O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, considera que a crise sanitária e socioeconómica de proporções globais que se vive hoje evidenciou e “agravou as profundas desigualdades sociais nos níveis nacional e regional”.

Assim, segundo o Chefe de Estado, há uma “necessidade urgente” de medidas abrangentes que permitam, numa perspectiva solidária, enfrentar os desafios que fazem perigar a existência da humanidade.

“Não obstante alguns avanços conseguidos desde a independência, as desigualdades sociais e regionais são muito acentuadas entre nós e, como em outras paragens, agravaram-se no contexto da pandemia”, apontou.

Jorge Carlos Fonseca fez essas considerações numa mensagem por ocasião do Dia Mundial da Justiça Social, criado pelas Nações Unidas, e foi assinalado este sábado.

Citando dados de organismos internacionais como as Nações Unidas, afirmou que a vulnerabilidade de determinados grupos sociais tem aumentado e as problemáticas que lhes estão associadas têm agravado.

Indicou exemplo de pessoas com deficiências, as crianças e adolescentes em risco, as mulheres afectadas pela violência baseada no género e, ainda, as pessoas dos meios rurais em detrimento dos meios urbanos.

Para Fonseca, esta situação acentua-se, particularmente, nos espaços considerados periféricos, “como determinadas ilhas, concelhos ou bairros”.

“Apesar dos resultados obtidos com as positivas medidas adoptadas para enfrentar esta difícil e complexa situação, milhares de cabo-verdianos continuam a debater-se com a pobreza e com um acesso limitado a diversos bens e serviços”, lamentou o mais alto magistrado da nação.

Em seu entender, é necessário continuar a amparar os mais desmunidos e a desenvolver e reforçar as políticas de combate às desigualdades sociais irrazoáveis e de promoção da solidariedade social.

“A justiça social é um imperativo de qualquer sociedade que almeja um nível de desenvolvimento integrado, inclusivo e sustentável”, sublinhou o Presidente da República, apelando para que haja “mais solidariedade social” para com os mais vulneráveis.

“A valorização dos princípios da equidade e inclusão social são fundamentais para a edificação de sociedades mais justas, coesas e desenvolvidas”, concluiu.

O Dia Mundial da Justiça Social foi estabelecido pelas Nações Unidas, em 2007, para chamar a atenção e promover a reflexão sobre a necessidade de realização dos direitos sociais para todos e sobre  a solidariedade social que deverá ser perseguida e garantida pelos Estados, pelas instituições e pelas próprias pessoas.

LC/ZS

Dans la même catégorie