AIP Législatives 2021 : la CEI appelle les candidats à un scrutin apaisé dans le N’zi AIP Le conseil régional dote l’hôpital général d’Agnibilékrou de matériel biomédical AIP Les populations exhortées à construire des logements décents AIP Législatives 2021: Le préfet de Bocanda invite les candidats à la culture de la fraternité et de la la paix pour des élections sans heurts AIP Le foncier, l’orpaillage et l’adduction d’eau potable, des préoccupations exposées au préfet de Bouaflé AIP Le nouveau préfet de Bouaflé confie sa mission aux chefs traditionnels Yowlè AIP Législatives 2021 : Des affiches des candidats déchirées à Bocanda AIP Législatives 2021: Les populations de Yocoboué appelées à voter massivement pour la liste PDCI-EDS AIP Vente groupée de noix de cajou à Abigui à 315 FCFA/Kg MAP Bulletin quotidien de l’écologie en Afrique

Cultura/Escultores da Feira de Artesanato passam por dificuldades neste período da pandemia


  9 Février      13        Arts & Cultures (1485),

   

Bissau, 09 Fev. 21 (ANG) – Os escultores da Feira de Artesanato de Bissau estão a deparar-se com dificuldades de negócios por falta de turistas no país neste momento da pandemia de coronavírus, disse  hoje a Agência de Noticias da Guiné ,a porta-voz dos artesões.

Alexandrina Marina Mané disse que atualmente, devido a esta situação, os promotores e produtores das artes, principalmente da madeira, que mais  produzem, são agricultores e que a maioria já voltou para suas tabancas e regiões   por falta de meios.

« Nesta segunda vaga, os poucos que vieram também estão com grandes dificuldades dentre as quais a falta de turistas que constituem 80 por cento dos seus clientes”, disse, Alexandrina  Mané.

Segundo ela, a situação está a ficar cada dia mais dramática porque não têm apoios de ninguém, contrariamente à outros países, em que, segundo Ela, há subvenção aos artesões.

Mané disse que, os poucos clientes que vão à Feira têm lamentado igualmente as dificuldades que a crise pandémica impõe. Disse que estão actualmente a vender os seus produtos à preço de promoção.

De acordo com Alexandrina Mané, outra dificuldade com que os artesões se conformam tem a ver com a aquisição de madeiras secas para confecções dos seus produtos,  acrescentando que a  madeira seca está muito cara e rara e a molhada não dá para a confeção de seus produtos.

Afirmou que, com o fecho  de uma das Agências das Nações Unidas, que é a  UNIOGBIS, perderam igualmente muitos clientes porque, através dessa organização, muitos profissionais técnicos e consultores em missão no país,  quando voltam para os seus países adquirem peças artesanais.

Segundo esta porta voz, o momento não é para falar de benefícios porque só estão a vender  para sobrevivência diária  das famílias.

Alexandrina Marina Mané pede ao Governo para que olhe para os artesões,  e sustenta que apesar de ser um sector privado representa a identidade da Guiné-Bissau, e “é uma imagem do país que que não pode ser visto nos livros porque pouco se escreve do sector”.

Para Braima Sissé, vendedor de estatuetas de madeira, a situação dos artesões em termos de negócios é muito difícil porque dependem de turistas para viver, de altos dirigentes e algumas pessoas que viajam para fora do país.

De acordo com ele,  o Estado não reconhece este sector,
apesar das contribuições que pagam .

“Desde o inicio da pandemia até hoje não beneficiou de nenhuma ajuda de pelo menos de máscara porque lida com pessoas que vêm de fora sobretudo pessoas de países mais infectados com Covid-19”, disse Sissé.

 Aladje Indjai vendedor de peças diversas de arte disse que o negocio é muito difícil neste momento de Covid-19 porque os turistas, que compram seus produtos, deixaram de frequentar o país.

Disse que as matérias-primas que utilizam para  confeccionar os seus produtos são adquiridas localmente e também no  Senegal e Mali.

Dans la même catégorie