MAP Inauguration à Rabat de l’ambassade de la République de Zambie au Maroc GNA Communities urged to support women to realise their potentials GNA Ace Journalist outdoors book on life experiences in practice GNA Ace Journalist outdoors book on life experiences in practice GNA ‘Absorb Anson SHS onto the Free SHS programme’- Nana Effah Opinaman III to government GNA Kwahu- Nkwatia gets new chief after three years of chieftaincy dispute GNA The Lord’s Pentecostal Church joins fight against electoral violence GNA NITA launches Security Operations Centre APS GUÉDIAWAYE : L’AMBASSADEUR DU PORTUGAL OFFRE DES KITS SCOLAIRES À DES FILLES AGP CEMAC: Le programme «Les jeunes tisserands de la paix» en gestation dans le Woleu-Ntem

Dia Nacional da Justiça/Presidente da República diz que a justiça é um instrumento da pacificação social


  12 Octobre      22        Société (24139),

   

Bissau,12 Out 20(ANG) – O Presidente da República afirmou hoje que a justiça em qualquer parte do mundo, funciona como um forte instrumento de pacificação social, de defesa dos direitos fundamentais dos cidadãos e da ordem democrática.

Ùmaro Sissoco Embalo falava durante a celebração do Dia Nacional da Justiça que se assinala hoje, 12 de Outubro sob o lema « Justiça ao Alcance de Todos”,
Para o chefe de Estado, a justiça tem que ser capaz de moralizar a sociedade, contribuir para dissuasão de todos os males e da criminalidade que afectam a convivência comum, nomeadamente o tráfico de drogas, a corrupção, branqueamento de capitais, terrorismo e do coronavirus sociais.

“Porém, não se pode falar de combate a criminalidade organizada sem uma justiça independente, eficaz e célere. Aliás, as organizações criminosas têm uma colaboração transnacional que lhes permitem aperfeiçoar as suas actuações através dos recursos às novas tecnologias, aumentando os seus poderes económico e influência sobre o poder político ao nível global”, disse.

O Presidente da República salientou que, nesta perspectiva, o Governo da Guiné-Bissau está empenhado na busca de parcerias para a melhoria das condições de trabalho, criação de infraestruturas adequadas para o funcionamento das instituições judiciais, em todo o território nacional.

Umaro Sissoco Embaló disse que a formação do pessoal e a reforma do quadro legal enquadram-se nas perpectivas e performance do desempenho dos operadores judiciários.

O Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, destacou na ocasião que a cerimónia comemora os 46 anos da passagem de testemunho da justiça do Estado colonial às autoridades da Guiné-Bissau independente.

Paulo Sanhá sublinhou no entanto que, de modo recorrente e recorrido a intensidade do desdém, em algumas opiniões e pronunciamentos públicos têm sido catalizadores de frequentes críticas, algumas respeitáveis, mas que lhes interpelam a uma reflexão contra-fáctica, necessária nos planos institucionais e material.

Acrescentou que, na dignidade, no sentido e na dimensão do Estado, esta cerimónia tem uma “densidade carismática” na afirmação, cada ano renovado, da missão das instituições da justiça.

“Esta cerimónia tem também valor de afirmação de princípios fundamentais de cidadania e de preservação das instituições referenciais do Estado, contra os discursos anestesiantes desta contemporaneidade, que por ideologia radical ou por moda, tenta descredibilizar as instituições judiciais e enfraquecer o Estado”, frisou Paulo Sanhá.

Disse que a Guiné-Bissau é um Estado democrático que se pretende de direito, fundada em princípios constitutivos e pré-constitutivos que a Constituição afirma entre os quais a separação, independência e a interdependência dos poderes, e que devem ser sacrossantos nas relações das instituições públicas.

De acordo com o ministro da Justiça, o sector, se depara com dificuldades de vária ordem, nomeadamente a insuficiência de infraestruturas para os serviços, insuficiência do pessoal, desadequação do quadro legal, acesso à justiça ainda limitado, entre outras.

Fernando Mendonça afirmou que a insuficiência de infraestruturas explica-se pelo facto de até aqui, não existir instalações próprias e adequadas para os diferentes serviços da justiça, nomeadamente tribunais, delegacias do Mi
nistério Público, Polícia Judiciária, Unidades Prisionais e Conservatórias de Registo Civil.

Perante esta situação, segundo Mendonça e atendendo o compromisso de satisfazer o interesse e atender as necessidades da justiça no país, o Governo tem recorrido ao arrendamento, com objectivo de, transitoriamente, suprir as referidas carências.

“Neste momento encontram-se em regime de arrendamento, as instalações da Directoria Nacional da Polícia Judiciária, o Tribunal Regional de Bissau-Vara Cível, os Centros de Acesso à Justiça de Canchungo, Bissau Velho, Bairro Militar, Mansoa, Bafatá e Buba, bem como os Tribunais de Sector de Chão de Papel Varela, de Plubá, Bairro Militar e as Conservatórias de Registro Civil do Bairro de Ajuda, Santa Luzia e Bairro Militar”, disse o ministro da Justiça

Dans la même catégorie