AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Présidentielle 2020: Watchard Kédjébo installe des brigades anti-désobéissance civile à Diabo et Languibonou AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Présidentielle 2020: Epiphane Zorro mobilise les militants du RHDP de Zuénoula pour la victoire de Ouattara AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Plaidoyer pour la création d’un conseil consultatif spirituel au service du gouvernement AIP Côte d’Ivoire-AIP/ COVID-19: Quarante et un nouveaux cas enregistrés le dimanche 25 octobre GNA President cuts sod for Kpone hospital, Tema Regional Hospital. GNA Wa West NABCO celebrates second anniversary GNA Don’t habour grasshopper mentality – Methodist Bishop to Ministers GNA Don’t adopt inappropriate ways to take monies from congregants – Presiding Bishop GNA Agent of Peace Campaign launched APS ORIENTATION DES NOUVEAUX BACHELIERS : LA PLATEFORME CAMPUSEN ACCESSIBLE À PARTIR DE LUNDI (MINISTÈRE)

Dirigente sindical denuncia “ditadura na Polícia Judiciária” que “tem de acabar”


  17 Septembre      14        Politique (12201),

   

Cidade da Praia, 17 Set (Inforpress) – O presidente da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação e Apoio à Investigação Criminal (ASFIC-PJ), João Vaz, disse entender que “há ditadura na Polícia Judiciária (PJ)”, prática, defendeu, que “tem de acabar”.

Este dirigente associativo falava esta quarta-feira à imprensa, na Cidade da Praia, à margem de uma manifestação contra a implementação do serviço social com base no salário dos funcionários.

“(…) Existe claramente ditadura quando se recorre ao salário do funcionário para, de forma escamoteada, dizer que é para o benefício dos funcionários. Há ditadura quando se decide ir ao salário do funcionário desta maneira para criar um serviço cujos funcionários não tiveram conhecimento”, frisou.

João Vaz afirmou que a ASFIC-PJ considera ser de “total falta de respeito” para com os funcionários da PJ esta “manobra totalmente dirigida pelo director nacional da Polícia Judiciária” no sentido de “baixar, claramente, o salário do funcionário”.

“Acreditamos que não vai ser implementado. É para ser implementado já este mês com o desconto de 2% no salário dos funcionários, mas acreditamos que ainda há possibilidade de nós sentarmos à mesa e negociarmos este assunto”, acrescentou.

O presidente da ASFIC-PJ frisou ainda que nunca houve nenhuma negociação a respeito deste assunto e que é exactamente isto que está a indignar os funcionários.

“O motivo principal é este, mas os funcionários da PJ têm, neste momento, vários assuntos pendentes com o Ministério da Justiça, relativamente ao salário, a promoção e progressões, a subsídios que ficaram aprovados no estatuto de 2017 e que não foram cumpridos”, completou.

Questionado acerca das declarações do director nacional da PJ, António Sebastião Sousa, dando conta que o projecto havia sido socializado com os funcionários, João Vaz classifica as mesmas de “totalmente falsas”.

“Foi mais uma forma de atrasar o processo de uma negociação para chegarmos a um entendimento. É totalmente falso aquilo que ele diz relativamente à negociação. Não foi dado aos funcionários o conhecimento do assunto. É um assunto tratado por ele e levado e explicado no conselho de ministros por ele”, acrescentou.

João Vaz adiantou ainda que o próprio Governo entendeu que se trata de um assunto criado e tratado pelos funcionários, mas que “não é verdade”.

A luta, referiu, vai continuar caso não houver diálogo e ss próximos passos, disse, serão negociados com os funcionários.

João Vaz afirmou ainda acreditar que a adesão a esta manifestação atingiu os 80% a nível nacional, ou seja pouco mais de 200 funcionários.

A Direcção Nacional da Polícia Judiciária já disse que, apesar das reivindicações, vai avançar com a implementação do serviço social, de modo a cumprir a lei.

Em finais de Agosto, o director da PJ, António Sebastião, garantiu que antes da aprovação do decreto-lei em sede do Conselho dos Ministros, os funcionários foram ouvidos, e que os mesmos, através do presidente da (ASFIAI-PJ), congratularam-se com a ideia da criação dos serviços sociais, mas defenderam que 2% do salário seriam um valor “exorbitante”.

Relativamente aos funcionários não associados a ASFIAI-PJ, António Sebastião Sousa garantiu que tiveram conhecimento da proposta, que foi remetida através de um e-mail interno e que não se pronunciaram.

GSF/AA

Dans la même catégorie