ANP Le Ministre burkinabé des Mines et des Carrières reçu par le Président Issoufou ANP Le Président Issoufou reçoit le Secrétaire Exécutif du Comité Interparlementaire du G5 Sahel ANP Diffa N’Glaa : 60 milliards de F CFA d’investissements dans les infrastructures ACI CONGO : QUINZE FEMMES VULNÉRABLES FORMÉES SUR DES MÉTIERS GÉNÉRATEURS DE REVENUS GNA Bawumia commissions Education Staff Development Institute at Saltpond GNA Chief of Staff inaugurates water projects in Tano North Municipality GNA PPAG ends GUSO project MAP Le leadership régional du Royaume en matière de lutte contre le changement climatique salué par un responsable nigérien MAP Les Etats-Unis réaffirment que l’initiative marocaine d’autonomie au Sahara est « sérieuse, crédible et réaliste » GNA Retail campaign serving us well-Asokwa NPP Secretary

Estados Unidos/ Procurador-geral compara confinamento a escravatura


  18 Septembre      7        Santé (7834),

   

Bissau, 18 Set 20 (ANG) – O procurador-geral norte-americano, Willian Barr, apoiante do Presidente Donald Trump, afirmou que as medidas sanitárias para enfrentar a pandemia de Covid-19, como o confinamento, acabam por ir contra as liberdades individuais, admitindo que «esta é a maior das violações às liberdades cívicas da história norte-americana».

Declarações controversas do procurador-geral dos Estados Unidos que não tardaram a provocar reacções nos diferentes quadrantes da política norte-americana.

Para William Barr «decretar um co

nfinamento nacional, tomar medidas de quarentena, é como ficar em prisão domiciliária».
O procurador foi mais longe e acrescentou que «além da escravatura, que foi um tipo diferente de restrição, esta é a maior das violações às liberdades cívicas da história norte-americana», concluiu Barr, que falava num estabelecimento de ensino ligado aos conservadores no Michigan.

Em reação James Clyburn, representante afro-americano do Partido Democrata na Câmara dos Representantes, afirmou que a declaração de «Barr é a mais ridícula e a mais desconectada da realidade» que ouviu. «É incrível que aquele que garante o respeito do direito neste país, faça uma ligação entre a escravatura e os conselhos de especialistas para salvar vidas. A escravatura não servia para salvar vidas. Tinha como objectivo a desvalorização da vida», acrescentou.

Nos Estados Unidos, os diferentes estados impuseram confinamentos de níveis e durações diferentes. O próprio presidente Donald Trump sempre recusou um confinamento nacional de forma a travar a propagação da pandemia que no país já tirou a vida a mais de 200 000 pessoas

Dans la même catégorie