ABP Bénin: Les travaux d’ouverture d’environ 38 km de voie lancés dans la commune d’Ifangni ABP Bénin: Des films de sensibilisation en milieu scolaire au cœur de la Rebiap édition 2017 ABP Bénin: Les structures de suivi et de coordination pour la protection des enfants se concertent à Aplahoué AIP Sept présumés braqueurs dont un militaire arrêtés à Korhogo AIP SARA 2017 : Les PPP préconisés pour booster l’agriculture ivoirienne (Ministre) AIP Côte d’Ivoire/ SARA 2017 : La CEDEAO salue le PNIA II et fait des suggestions pour améliorer son implémentation GNA 1992 year group donates book to the Nkawkaw Senior High School APS Lise Filiatrault souhaite une décentralisation des activités de la francophonie APS Brooke, une ONG promotrice du bien-être des équidés auprès des communautés APS Infrastructures, déficit de personnel : ces « maux » qui plombent la santé maternelle à Kolda

EUA anunciam 335 ME de apoio a Moçambique para combate à Sida em 2018


  13 Septembre      19        Santé (4493),

   

Bissau, 13 Set 17 (ANG) – Os Estados Unidos da América anunciaram terça-feira a atribuição de um apoio de 400 milhões de dólares (335 milhões de euros) para combate à sida em Moçambique em 2018.

Uma das metas consiste em aumentar em 40 por cento o número de pessoas com HIV em tratamento anti-retroviral.

O « nosso objetivo comum nos próximos doze meses é registar 375.000 pessoas com o HIV nos serviços de cuidados e tratamento. Isso significa que, até final de 2018, 1.262.000 moçambicanos que vivem com HIV estarão em tratamento », anunciou  Dean Pittman, embaixador dos EUA em Maputo.

O diplomata falava durante uma cerimónia conjunta com o Ministério da Saúde moçambicano para assinalar a atribuição do apoio no âmbito do Programa do Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Alívio da Sida (PEPFAR).

« O objetivo principal de PEPFAR Moçambique é apoiar os esforços dos países para alcançar o controle da epidemia do HIV até 2020 », acrescentou.

O plano para o próximo ano prevê também uma aposta em medidas de prevenção junto de grupos de risco e garantir que « todas as mulheres grávidas e lactantes conheçam o seu estado serológico para prevenir a transmissão da doença para recém-nascido », referiu o diplomata.

As ações vão dar especial atenção à província central da Zambézia que, de acordo com os dados oficiais, tem o maior número de pessoas infetadas com HIV e a menor cobertura de tratamento.

O índice de HIV/Sida em Moçambique aumentou de 11,5 por cento, em 2009, para 13,2 por cento, em 2015, de acordo com dados do Inquérito de Indicadores de Imunização, Malária e HIV/sida (Imasida), divulgados em março deste ano pelo Governo moçambicano.

O relatório do programa da ONU para o combate à Sida (Onusida), publicado em julho, indica que 54 por cento das pessoas que vivem com o vírus no país estão em tratamento e 61 por cento dos infetados têm conhecimento do seu estado.

Segundo o documento, Moçambique está entre os sete países da África Oriental e Austral que concentram 50 por cento das novas infeções que ocorreram entre 2010 e 2016 e que nesse período atingiram 790 mil pessoas.

Em agosto, o Conselho de Ministros de Moçambique anunciou o compromisso de, até 2020, reduzir as mortes por VIH/sida em 49 por cento e a transmissão sexual do vírus em 50 por cento.

Dans la même catégorie