ACP Une application pour certifier les produits congolais ACP Le Conseil d’administration de la FEC renouvelle son engagement aux principes d’un Etat de droit ACP RDC-RCA: un don de 3,5 millions de dollars de la BAD pour un projet d’interconnexion électrique ACP L’accompagnement des ETD dans la gestion des fonds de la redevance minière, principale recommandation de AMI 4 ACP Le président national du FLNC en tournée dans les différents districts de Kinshasa ACP Le BCNUDH note une diminution de près 16% de violations des droits de l’homme en RDC au mois d’octobre MAP Le Maroc, un partenaire « très fiable » avec lequel l’UE souhaite poursuivre le partenariat (Commissaire UE) ABP La Journée mondiale de lutte contre le sida célébrée à Natitingou sous le signe des progrès enregistrés dans l’Atacora ABP La population d’Adjakomey appelle le gouvernement à les sauver des affres des bœufs sédentarisés ABP Kétou ne regrette pas le choix porté sur Talon et salue les réalisations du PAG

FAO realiza Workshop de Capacitação e Sensibilização sobre relação existente entre nutrição e comércio


  21 Octobre      18        Société (25511),

   

Cidade da Praia, 21 Out (Inforpress) – A FAO tem em curso na Cidade da Praia até quinta-feira, 22, através da plataforma “zoom”, um workshop de capacitação e sensibilização técnica e institucional sobre a relação existente entre a nutrição e o comércio, evento financiado em 352 mil dólares.
Conforme uma nota de imprensa enviada à Inforpress, esta iniciativa ocorre no âmbito da implementação do projeto da FAO “Integração da nutrição nas leis e regulamentos comerciais nacionais e regionais dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (PEID) e promoção das cadeias de valor alimentar locais para o comércio nos PEID”.
O workshop, que se realiza em parceria com o Ministério cabo-verdiano da Indústria e Energia, decorre sob o tema “Nutrição e Comércio: implicação para os Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento(PEID)”, e destina-se aos países beneficiários do projeto: Cabo Verde, Comores, Guiné-Bissau, Madagáscar, Maurícias, São Tomé e Príncipe e Seychelles.
O principal objectivo deste workshop, revela a mesma nota, é reduzir o nível de desnutrição, principalmente a obesidade, algo que passa pela redução na importação e distribuição de produtos alimentícios não saudáveis (alto teor de açúcar, alto teor de gordura ou abaixo do padrão e mal rotulado) e melhoria do comércio intra-PEID de alimentos nutritivos.
De igual modo, pretende-se com esta iniciativa “aumentar a consciencialização e a capacitação das diferentes partes interessadas sobre a importância, o papel e o impacto das políticas comerciais, leis alimentares, segurança alimentar e regulamentos de qualidade na melhoria da nutrição”, lê-se no documento.
A iniciativa tem como público-alvo, técnicos da área de comércio, das agências alfandegárias, dos órgãos reguladores de alimentos/autoridades de padrões alimentares, trabalhadores da cadeia de valor nutricional e agroalimentar, pequenas e médias empresas, associações de consumidores e parlamentares.
Em declarações à imprensa, a representante da FAO em Cabo Verde, Ana Touza, afirmou que o projecto abrange sete países da África e está operacional em Cabo Verde há já um ano.
“O foco é nos pequenos países Insulares porque nestes países a produção de alimentos é deficitária normalmente, por essa razão necessitam e muito dos alimentos importados, mas para ter uma boa alimentação há que ter uma regulamentação na importação de alimentos”, comentou.
A representante da FAO frisou ainda que ter uma “boa nutrição” tem haver com que alimentos são disponibilizados no mercado e em que factores se baseiam para fazer essa identificação, por isso realçou que é “importante” que os alimentos importados tenham, sempre, alguma norma de rotulagem de modo a dar uma breve descrição do conteúdo alimentar nutricional de cada produto.
“Isso é importante porque nesses países há uma representação muito alta de alimentos importados e em todos esses países se registram indicadores nutricionais preocupantes”, elucidou mencionado a obesidade que é originada pelos produtos importados que têm alto teor em sódio e gorduras.
Por isso, reforçou Ana Touza, é “importante” saber quais os tipos de alimentos que entram nesses países e que estão disponíveis no mercado alimentar, salientando que o workshop visa também “a mudança de comportamento nutricional, mudança de hábito de consumo alimentar e promoção de política de rotulagem nutricional para regulamentar o mercado”.

Dans la même catégorie