INFOPRESS DGIS e DNE lançam programa radiofónico com orientações sobre higienização e organização das creches INFOPRESS Brava: Ministro da Agricultura chega hoje à Brava para seguimento da campanha agrícola APS 655 PERSONNES HANDICAPÉES BÉNÉFICIENT DES SERVICES GRATUITS DE DDD À DAKAR (PRÉSIDENT ASSOCIATION) INFOPRESS Porto Novo: Sem mercado de peixe na cidade peixeiras obrigadas a exercer actividade nas ruas INFOPRESS Futebol/Eliminatórias CAN’2022: Avançado Patrick Fernandes convocado para jogos com Andorra e Guiné Conacri INFOPRESS São Vicente: Navio-patrulha “APA” visita Mindelo e doará 15 mil máscaras à delegacia de saúde INFOPRESS Autárquicas 2020/São Salvador do Mundo: Candidato do MpD elege para os próximos quatro anos o sector de água como “bandeira” INFOPRESS Porto Novo/Ano Agrícola: Falta de mão-de-obra condiciona faina agrícola no Planalto Norte GNA Three communities in Lawra Municipality pass ODF verification GNA ISD Director calls for resourcing of Department to enhance service delivery

Fauna/Director de Parque de Cantanhez confirma que dois elefantes vivem no país


  28 Juillet      11        Société (23006),

   

Bissau, 28 Jul 20 (ANG) – O Director do Parque de Cantanhez confirmou hoje que dois elefantes voltaram a residir na Guiné-Bissau desde 2014 e que os mesmos habitam na região de Quinará, concretamente na tabanca de “Sintchan Pati” no sector de Buba, sul do país.

Queba Quecutá em entrevista exclusiva à Agência de Notícias da Guiné, garantiu que o Instituto de Biodiversidade e das Áreas Protegidas (IBAP) vai fazer de tudo para conservar a zona na qual circulam e habitam os elefantes para que os mesmos possam ter uma vivência segura no país.

“Os elefantes têm as suas zonas que costumam percorrer, eles não gostam de perturbação. Por isso, acabam sempre por refujear quando se sentem perseguidos ou incomodados, mas vamos evitar com que isso aconteça desta vez”, prometeu aquele responsável.

Quecutá referiu que em 2014 foram registado 06 elefantes, mas que até agora as suas pegadas são vistas, o que indica que eles possam ainda estar a viver no país ou que estiveram de passagem.

“Já temos a certeza de que dois elefantes residem na zona de Buba, porque normalmente eles costumavam passar na Guiné-Bissau uma vez por ano, mas desde 2014 os dois ficam habitados na zona que referimos e isso mostra que são capazes de regressar em número maior caso haja condições favoráveis para tal”, referiu.

Queba Quecutá explicou que os elefantes têm os seus caminhos fixos e que actualmente passam com mais frequência na zona de povoação de Colubia devido o processo de transformação que acaba por condicionar surgimento de novas tabancas e consequente desaparecimento de certas vias de passagem dos mesmos.

Explicou que o Parque de Cantanhez tem dois corredores transfronteiriça, que são de tabanca de Balana e Guiledje, no sector de Bedanda, região de Tombali e que ainda existe sete corredores internos.

“Os elefantes costumavam visitar a zona de Colubuia uma vez por ano e passavam até Cufada, mas actualmente passam nestas vias com mais frequência devido ao desaparecimento de outros caminhos que utilizavam”, disse aquele responsável.

O Director de Parque de Cantanhez informou que os elefantes são uma espécie que existia na Guiné-Bissau no período antes da Luta de Libertação nacional e que acabaram por emigrar para outros países devido a perturbação que sofreram no país com a fase da guerra.

Por outro lado, o Director de Parque de Cantanhez afirmou que, os animais tornaram mais agressivos actualmente devido a acção do homem e sobretudo na exploração de produtos silvestres, de que alimentam.

Sublinhou que a desmatação é um dos factores que está a contribuir também para as constantes irritações dos animais, porque os mesmos acabam por ficar sem abrigo de qualidade e sem alimentos suficientes.

Dans la même catégorie