Inforpress COVID-19: BCV Supervision Coordinator states it is possible to make savings in the country’s current situation APS DÉMARRAGE DE LA SÉANCE PLÉNIÈRE CONSACRÉE À L’ADOPTION DU PROJET DE LOI PORTANT CRÉATION DU FERA APS UNE SOCIÉTÉ CIVILE « PLUS CONSCIENTE DE SON RÔLE » DANS LE DISPOSITIF DE DIALOGUE DU SECTEUR ÉDUCATIF (COSYDEP) APS UN SITE PRÉVU À DIAMNIADIO POUR LA VISITE TECHNIQUE ET L’IMMATRICULATION DES VÉHICULES GNA Ghana needs investment support in pharmaceutical sector GNA GJA secures insurance package for journalists covering elections 2020 GNA We will provide security for Volta Region- IGP GNA New Oti Region to get Youth Resource Center after President cuts sod for construction GNA Let’s not lose sight of malaria because of Covid-19—Makarios Foundation Inforpress For the operationalization of the Energy Efficiency Code, it is necessary to have trained professionals – Edson Mendes

Florestas/Guiné-Bissau quer abrir “regime especial” em moratória que proíbe corte de árvores


  15 Octobre      10        Environnement/Eaux/Forêts (2175),

   

Bissau,15 Out 20(ANG) – O ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural da Guiné-Bissau, Abel da Silva, disse quarta-feira  que o Governo vai abrir « um regime especial » de cinco anos no âmbito de uma  moratória que proíbe o corte de árvores no país.

Se o Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, aprovar um decreto proposto pelo executivo, os madeireiros que operam na floresta guineense poderão voltar a abater árvores, o que não podem  fazer desde 2015.

O Governo aprovou nesse ano  uma moratória de cinco anos proibindo o abate de qualquer árvore que é transformada em madeira, devido à pressão que se verificou sobre a floresta guineense entre 2012 e 2014.

Dados do Governo, mas várias vezes negados pelas ONG, apontam que, naquele período, cerca de 900 mil metros cúbicos da floresta guineense foram abatidos por madeireiros.

O ministro da Agricultura, que tutela a floresta guineense, disse que, mesmo com a observância da moratória, que expirou no mês de abril passado, a exploração clandestina de árvores não parou.

Para contornar a situação e ainda atender a pressão da indústria madeireira local, nomeadamente as carpintarias e as serrações, o Governo « vai ter que mandar abrir », observou Abel da Silva.

« O período da moratória terminou em abril e é preciso fazer algo », disse o governante, salientando que, do levantamento feito, chegou-se à conclusão que é possível autorizar o abate de árvores, « mas com regras ».

No documento a ser promulgado pelo Presidente guineense, segundo Abel da Silva serão fixadas quotas para cada espécie a ser abatida e serão especificadas as 14 espécies de árvores na Guiné-Bissau ameaçadas.

No entanto, desse grupo, o Governo vai permitir o corte de Pau Sangue e de Pau de Carvão, duas das espécies de árvores florestais mais procuradas , adiantou o ministro.

« O conselho de ministros concordou que se permitisse a exploração dessas duas espécies mas apenas para o consumo interno », declarou Abel da Silva, explicando as razões.

O Pau de Sangue é usado na construção de mobiliário em madeira, enquanto Pau de Carvão é utilizado para produção de carvão que é usado na cozinha por muitas famílias guineenses.

O Governo « não pode impedir aos cidadãos terem acesso a esses recursos naturais », sublinhou o ministro da Agricultura, que acrescenta, « até porque isso poderia aumentar a exploração clandestina « das duas espécies”.

Em resumo, Abel da Silva explicou que o que ficou decidido pelo Conselho de Ministros vai no sentido de « adotar um regime especial perante a moratória: explorar sim, mas sem serem as espécies ameaçadas ».

O Governo guineense ainda decidiu autorizar a exportação da madeira desde que seja transformada em viga, plaquetas e tábuas, e não autorizou  a saída de toros, pranchas e sachos.

Dans la même catégorie