GNA Government addressing all outstanding border issues with neighboring countries- President GNA Peace Fund launched to support the National Peace Council ANP Décès à l’hôpital de référence de Niamey du PDG de la Nigérienne de l’automobile AGP Koubia-CIVID-19 : Lancement de la compagne de vaccination accélérée contre le covid-19 GNA Ministry of Finance publishes sustainable financing framework GNA Strengthening health security will help Ghana achieve Universal Health Coverage GNA AU signs MOU with Africa Leadership Foundation GNA NCCI to hold Africa Private Sector Summit Series two in Accra INFORPRESS Presidential elections on Sunday will be followed by 140 international observers – CNE INFORPRESS President of the Republic classifies Armenio Vieira as “example” and “source of inspiration” to look for “new things”

Greve na Saúde/LGDH exige do governo tomada de medidas para evitar mais mortes


  22 Septembre      18        Santé (11835),

   

Bissau, 22 set 21 (ANG) –A Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) exige que o governo assuma as suas responsabilidades encetando contactos com os sindicatos para travar, o mais rapidamente possivel, a greve em curso no sector da saúde pública, iniciada na segunda feira.
A exigência da organização que defende os direitos humanos vem expressa num comunicado publicado na sua pâgina de fecebook, em reação à greve dos técnicos de saúde, ao nivel nacional.
Sgundo a Liga “esta situação traumatizante pode provocar dezenas de mortes e centenas de casos de abandono de serviços de saúde”.

A organização exige ao sindicato do sector de saúde à observação do serviço mínimo imposta pela lei para a salvaguarda de vidas humanas.

No comunicado, a LGHD refere ter registado com muita apreensão a paralisação total de serviços de saúde na sequência de greve decretada pelas organizações sindicais do sector de saúde.

Por isso, a LGHD considera que é imperativo que sejam adoptadas medidas urgentes para pôr cobro à esse “cenário de irresponsabilidade e insensibilidade” face à vida Humana em plena pandemia.

Por outro lado, o organismo que defende os direitos humanos condena a inércia do Ministério de saúde e responsabiliza o governo pelas eventauis mortes evitáveis que poderão ocorrer em consequência do que chama de “catastrofe” no serviço nacional de saúde.

Dans la même catégorie