AMI Départ du Président de la République pour la Guinée Bissau AIP Le Gouvernement ivoirien adopte un plan d’action de réformes et de modernisation de l’Administration AIP Côte d’Ivoire- AIP / Les hommes de médias sensibilisés à faire la promotion des personnes en situation de handicap AIP Côte d’Ivoire-AIP/ L’ANARE-CI présente à Dabou les acquis pour les consommateurs d’électricité MAP Revue de la presse quotidienne internationale africaine (RPQI-Afrique) MAP Bulletin quotidien d’informations économiques africaines APS 2,4 MILLIARDS CFA POUR LA RELANCE DES PME DANS UN CONTEXTE DE COVID-19 APS ADDUCTION D’EAU POTABLE À TOUBA : LE DG DE L’OFOR SATISFAIT DES TRAVAUX EN COURS AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Un décret portant attributions des membres du Gouvernement adopté à Bouaflé AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Les flux physiques et financiers du secteur de l’énergie communiqués par le Gouvernement

Guiné-Bissau/ Jornalistas vão calar-se 24 horas contra “atentado à liberdade”


  4 Août      8        Arts & Cultures (1188),

   

Bissau, 04 Ago 20 (ANG) – O Sindicato de Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social da Guiné-Bissau promete uma “paralisação a nível nacional” de 24 horas, esta semana, para repudiar o ataque à Rádio Capital FM que classifica como “atentado à liberdade de imprensa e de expressão”.

 O objetivo é também “pressionar as autoridades para prosseguire m com as investigações e apurarem os autores”.

Indira Baldé, presidente do Sindicato, avisa que é altura de dizer “Basta” às tentativas de silenciar os jornalistas na Guiné-Bissau.

O objectivo é fazer uma “paralisação a nível nacional” de 24 horas, esta semana, para repudiar o ataque à Rádio Capital FM, um “atentado à liberdade de imprensa e de expressão”, conta à RFI Indira Baldé, a presidente do Sindicato de Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social da Guiné-Bissau.

“É uma das acções que o Sindicato de Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social da Guiné-Bissau vai levar a cabo em solidariedade com os profissionais da Rádio Capital FM, vandalizada na semana passada por pessoas ainda não identificadas. É também uma forma de pressionar as autoridades para prosseguirem com as investigações para apurarem os autores morais e materiais deste acto que consideramos um atentado à liberdade de imprensa e de expressão na Guiné-Bissau”, explica.

Indira Baldé sublinha que “é o momento de dizer ‘Basta’”: “Há uma vontade dos profissionais da comunicação social em aderir a esta iniciativa porque sentiram que a nossa profissão e a nossa vida estão em causa. Então, os profissionais da comunicação social guineense estão mesmo mobilizados para aderir a esta paralisação. É a única forma de manifestarmos o nosso repúdio quanto a este acto que aconteceu com a Rádio Capital FM. Aconteceu com a Capital, não sabemos, daqui a uns tempos, que radio será uma outra vítima, não sabemos quem será a próxima vítima. Então, é o momento de levantarmos e dizermos ‘Basta’.

A presidente da Sinjotecs acrescenta :“Esta manifestação vai ter reacção porque o próprio povo guineense sentiu que estão a ser limitados os seus direitos, o direito de expressão. Pensamos que se os profissionais da comunicação social começarem com esta luta, vamos ter a solidariedade do povo guineense porque isso já foi demonstrado no dia em que a Rádio Capital sofreu aquele assalto.”

A presidente do Sindicato de Jornalistas não tem medo que a acção venha a ter represálias porque se está a manifestar o direito de fazer um jornalismo livre na Guiné-Bissau sem algum condicionalismo”. Perante a crise político-institucional que tem abalado o país, “jornalismo livre” é possível? “Temos que lutar para isso”, disse.

Porém, Indira Baldé admite que o panorama da comunicação social “está a ser um bocadinho difícil”, há medo e autocensura.

“O panorama está a ser um bocadinho difícil porque – com as declarações do Presidente da República, há semanas, de avançar com a possível instalação de algum aparelho para controlar as informações via rádio ou online, – algumas pessoas estão com medo. Há algum medo e isto não é bom, é uma forma de intimidar indirectamente os profissionais da comunicação social, é uma forma de tentar criar um sentido de autocensura. Há algum medo de algumas pessoas em fazer o trabalho. Mas vamos lutar. Não há nada que se consegue de bandeja, a vida é uma luta e vamos lutar para isso,”referiu.

Dans la même catégorie