APS L’ASSU OFFRE DES CONSULTATIONS MÉDICALES GRATUITES POUR LANCER SES ACTIVITÉS ANP Niamey : Lancement des initiatives de la BIT sur les sciences et la finance islamique ANP Bientôt un complexe commercial de l’université islamique à Niamey MAP Nigeria: six soldats tués dans une attaque de Boko Haram APS LE PM LANCE LES TRAVAUX DE CONSTRUCTION D’INFRASTRUCTURES ROUTIÈRES DANS LE SALOUM AIP Côte d’Ivoire: Des résultats probants enregistrés à la caisse nationale de prévoyance sociale (CNPS) AIP Côte d’Ivoire: Un homme se suicide pour protester contre la conversion de sa femme au christianisme AIP Côte d’Ivoire: Les musulmans de Tiassalé invités à taire leurs querelles MAP La 2ème édition des rencontres africaines d’intelligence économique à Dakhla en juin prochain MAP Burundi: une famille de six personnes décimée par des pluies diluviennes

ICCA exorta agências e guias turísticos a absterem-se de ver crianças vulneráveis como foco de atracção turística


  8 Novembre      16        Economie (21998),

   

Espargos, 08 Nov (Inforpress) – A delegada do Instituto Cabo-verdiano da Criança de do Adolescente (ICCA), na ilha do Sal, exortou hoje as agências e guias turísticos a não verem a pobreza e crianças de famílias vulneráveis como foco de atracção turística.

Queila Soares lançou este apelo ao reagir à notícia veiculada pela Inforpress sobre menores envolvidos em alegados “esquemas de turismo sexual” em que o Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente (ICCA) teria encaminhado para o Ministério Público três denúncias de menores da localidade de Terra Boa, na ilha do Sal, envolvidos nesses alegados “esquemas”.

“Em relação à questão do turismo e os projectos sociais de Terra Boa, o ICCA tem trabalhado muito na monitorização e fiscalização destas associações e projectos, não só em Terra Boa, mas também de outros sítios”, lançou a responsável, uma forma de prevenção, ajuntou, pelo que a organização criou instrumentos de trabalho para que todos possam partilhar sobre a postura do turista ou qualquer outro visitante a estas associações.

“As crianças não devem ser foco de atracção turística. Como forma de prevenção, apelamos às agências e aos guias turísticos a não verem a pobreza, as crianças dessas famílias como foco de atracção turística”, reiterou, em tom de lamento.

SC/AA

Inforpress/Fim

Dans la même catégorie