ANP Le parti RPP Farilla investit Alma Oumarou candidat aux élections présidentielles 2020 -2021 ANP Niger : Le journaliste écrivain Salou Gobi investi candidat à la présidentielle 2020-2021 AGP Gabon : L’archevêque Jean Baptiste Moulacka arrêté puis relaxé après 2 heures dans un commissariat ANGOP Covid-19: Angola regista 46 novos casos APS MÉDINA BAYE : ANSAROU DINE RENOUVELLE SES ENGAGEMENTS AU NOUVEAU KHALIFE APS UN OFFICIEL DÉCLINE ‘’SEPT ACTIONS’’ POUR LE DÉVELOPPEMENT DU TOURISME EN MILIEU RURAL APS EDOUARD MENDY ENRICHIT SES ANCIENS CLUBS (MÉDIA) APS LE PROJET DU MUSÉE-MÉMORIAL ’’LE JOOLA’’ PRÉSENTÉ AUX CHEFS COUTUMIERS DU KASSA AGP Gabon : Le CLR installe les nouveaux responsables dans la Noya MAP Kenya: Saisie à Juja de 700 kilogrammes de cannabis et arrestation de cinq trafiquants

Joana Rosa diz que Cabo Verde tem um Governo “muito competente” que está de “cara levantada”


  29 Juillet      6        Politique (11400),

   

Cidade da Praia, 29 Jul (Inforpress) – A líder do grupo parlamentar (GP) do MpD (poder), Joana Rosa, disse terça-feira, referindo-se à governação, que o país tem um “bom Governo e muito competente”, pelo que está de “cara levantada”.

“O Estado da Nação caracteriza-se em dois momentos: O primeiro momento, que vai de 2016 e início de 2020, e o segundo momento de Março de 2020, com a covid, até esta parte”, afirmou a líder do GP do Movimento para a Democracia, destacando a “ampla confiança” que os cabo-verdianos depositaram no seu partido que, conforme realçou, “é o único que já deu provas de melhor governar o país”.

Joana Rosa, que falava em conferência de imprensa, na sequência das jornadas parlamentares, que antecedem o último Estado da Nação da presente legislatura, lamentou que o Governo do PAICV, em 2016, tivesse deixado o país “em agonia e, apesar de tantos recursos, não conseguiu fazer crescer a economia nacional”.

“A economia passou a crescer seis vezes mais, o desemprego caiu para 11,7% (por cento), a dívida pública reduziu-se para 115%, o rendimento das famílias aumentou”, comentou, acrescentando que, com a medida de política de emprego, foi massificada a formação profissional, tendo beneficiado “cerca de 24 mil jovens”.

De acordo com a responsável da bancada parlamentar ventoinha, foram, igualmente, triplicadas as bolsas de estudo que, sublinhou, em 2015, foram 600, e passaram para 1800, em 2019.

“Em termos de políticas para com a juventude, não há comparação possível com o que este Governo tem feito”, realçou Joana Rosa, acrescentando que no domínio de políticas sociais nenhum outro executivo fez tanto como o actual de Ulisses Correia e Silva.

Para a deputada, a pandemia da covid-19 veio interromper a “boa dinâmica da economia”, devido a medidas sanitárias que levaram ao confinamento das pessoas e encerramento temporário das empresas.

Segundo a mesma fonte, com as fronteiras encerradas, os aviões ficaram em terra, o turismo, como principal actividade do país, “desmoronou-se” e a previsão de um milhão de turistas ficou “totalmente abalada” em consequência da covid.

No sector dos transportes, alega Joana Rosa, foram introduzidas reformas que levaram, nomeadamente à criação de um hub aéreo no Sal, que “estava a ser um sucesso”.

“Dados do Banco Central dão-nos conta das vantagens do hub no Sal, que fez aumentar as reservas de divisas, o aumento do tráfego aéreo”, sublinhou para depois revelar que as empresa petrolíferas registaram um “aumento de cerca de 39% na venda dos combustíveis”.

Asseverou, por outro lado, que a plataforma aérea no Sal fez um “aumento exponencial” do tráfego internacional e, logo, “com reflexos no crescimento do PIB [Produto Interno Bruto]”.

“A CVA [Cabo Verde Airlines] teve um aumento de 94% do número de passageiros”, precisou Joana Rosa, admitindo que a pandemia de covid no país impõe que se revisite o modelo de negócios do hub na ilha do aeroporto.

“Houve um desmoronamento de tudo quanto se conseguiu nesses quatro anos de governação”, lamentou a presidente da bancada parlamentar do MpD, que, também, ressalvou o “novo relacionamento entre o Governo, os municípios as igrejas e as ONG”.

Instada sobre a eliminação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) na água para a rega, que propõe o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição), Joana Rosa admitiu esta hipótese, mas fora do Orçamento do Estado.

“Há que fazer, sim, a redução do IVA, mas terá que atingir os mais pobres”, admitiu Joana Rosa, deixando transparecer que este assunto será tratado “num outro fórum”, ou seja, fora do OE.

LC/JMV

Inforpress/Fim

Dans la même catégorie