ACAP Un atelier sur la prévention de l’incitation à la haine et la gestion des rumeurs post électorales ACAP Le HCC présente le rapport du monitoring de la campagne électorale du 27 décembre 2020 AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Législatives 2021: la colère des militants PDCI de Dimbokro suite à la désignation des candidats AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Vih/Sida : l’Ong les flamboyants réoriente sa stratégie pour un meilleur dépistage dans l’Indéni-Djuablin AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Les qualités de l’ex-secrétaire général de la préfecture de Sikensi saluées AIP Côte d’ivoire-AIP/ Riziculture : La municipalité de Niakara promeut le secteur local GNA Rawlings to be on “gun-carriage” through streets of Accra ahead of burial GNA FIFA clears four candidates for CAF Presidency GNA Rawlings goes home today ANP Covid-19 : Une start-up nigérienne développe des viseurs de protection contre la maladie

Justiça/Colectivo de advogados de Domingos Simões Pereira considera de “inexistente” o mandato de captura internacional


  5 Janvier      17        Securité (1810),

   

Bissau, 05 Jan 21 (ANG) – O colectivo de advogados do líder do Partido Africano da Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde, Domingos Simões Pereira considerou de “inexistente” a mandato de captura internacional emitido pela Procuradoria Geral de República (PGR) por meio do Gabinete Nacional da Interpol contra o seu constituinte.

Em conferência de imprensa sobre a rejeição do mandato de captura por parte da Interpol , Vailton Pereira Barreto, um dos advogados, afirmou que nunca existiu um mandato de captura internacional porque antes tem de se questionar se o paradeiro de Domingos Simões Pereira é desconhecido ou se é incerto.

“Ou seja, se ninguém sabe em que país se encontra ou onde ele mora. São estes, os pressupostos de base para pedir um mandato de captura internacional” a uma pessoa”, explicou.

Acrescentou que, no sentido jurídico, um mandato de captura só pode ocorrer em duas situações, o que significa que quando existe uma sentença condenatória com trânsito em julgado e não se sabe o paradeiro do condenado ou se este estiver a subtrair-se à acção da justiça, ou seja casos em que o condenado esteja em regime de cumprimento de pena e tenha beneficiado de saídas precárias e não regresse à prisão.

Barreto disse que a Procuradoria Geral da República foi infeliz quanto ao conceito técnico jurídico de mantado de captura porque demostrou uma impreparação no que diz respeito ao domínio do conteúdo jurídico daquilo que é o mandato de captura.

Este advogado de Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC sustentou que uma pessoa que tem mandato como deputado e que está em vigor ainda que esta sendo substituído por ausência temporariamente indisponível continua a ser titular da qualidade de deputado da nação, que antes de qualquer abordagem tem que ser requerido junto da Assembleia Nacional Popular (ANP) o levantamento da sua imunidade para poder cumprir qualquer acto acima dum deputado com mandato em vigor.

Segundo o colectivo de advogados, a origem do mandato da PGR prende-se em dois tipos de imputação, e que um se relaciona a um alegado desvio de uma verba verba disponibilizada ao país pelo Fundo Monetário Internacional(FMI).

O grupo diz que nessa altura evocada pela PGR Domingos Simões Pereira não executava nenhum programa estabelecido com o FMI.

“A Guiné-Bissau acabou por sair humilhada e desconsiderada com a notificação do Secretariado da Interpol porque, o próprio texto de notificação é um atestado de incompetência ao advogado do Estado que é a Procuradoria Geral de República”, disse Vailton Pereira Barreto.

Num documento distribuído recentemente, a Interpol, evocou o princípio diretor de neutralidade previstos nos seus estatutos e regulamentos, também mandou apagar as informações relativas ao cidadão visado do seu banco de dados.

Na nota, a Secretária-geral da Interpol justificou que a sua decisão de indeferir o pedido de captura internacional ao líder do PAIGC, é “baseada nos Estatutos e Regulamentos da INTERPOL, e a sua única consequência é que o pedido de cooperação policial internacional relativo a esta pessoa não pode ser transmitida através da INTERPOL”

Dans la même catégorie