APS THIÉNABA : DES ’’ÉTUDES SONT EN COURS’’ POUR L’ÉLECTRIFICATION DU VILLAGE DE THIOTY (DG SENELEC) AIP Communiqué du Ministère de la Santé et de l’Hygiène Publique « Point de la situation de la COVID-19 au 23/10/2020 » AIP Côte d’Ivoire-AIP/Présidentielle 2020 : L’UE appelle les acteurs politiques ivoiriens à accélérer le dialogue MAP Guinée/présidentielle : 5 morts dans des violences post-électorales AGP Gabon: Reprise progressive des activités de la Société des bois de Lastourville ANP Niger : Les nouveaux membres du Comité Scientifique du CNRA se présentent au Premier Ministre ANP DIFFA : Cérémonie de présentation de semences améliorées produites par l’ONG WHH AGP Gabon : Evolution de la crise sanitaire, Task force et actualité international au menu du point de presse du Porte-parole de la Présidence APS DEUX PIROGUES DE MIGRANTS CLANDESTINS INTERCEPTÉES CE VENDREDI, AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Le CEECI et plusieurs organisations estudiantines rendent hommage à Alassane Ouattara à l’UAO de Bouaké

Maioria dos restaurantes tem poucas opções vegetarianas, além da tradicional salada – Vegetarianos


  2 Octobre      10        Société (24115),

   

Cidade da Praia, 02 Out (Inforpress) – Os vegetarianos admitem que seguir com a dieta alimentar em Cabo Verde torna-se “complicado”, porque a maioria dos restaurantes tem poucas opções vegetarianas, além da tradicional salada.
Em declaração à Inforpress, por ocasião do Dia Internacional do Vegetarianismo que se assinala nesta quinta-feira, 01, a vegetariana Suzilene Andrade disse que há cerca de um ano e meio, decidiu mudar “toda” a sua alimentação, mas que de há cinco anos a esta parte começou a eliminar lacticínios e derivados por questões de saúde.
“Eu decidi efetivamente mudar toda a minha alimentação há um ano e meio, mas há cinco anos que comecei a eliminar, porque me faziam mal (tinha vômito e diarreia). Depois, o meu sistema digestivo é meio lento (diria preguiçoso) e digerir carne é sempre mais difícil. Acusava mal-estar, inchaço, gases e cansaço frequente”, explicou a, também, comunicóloga.
Conforme conta Suzilene Andrade, teve de escolher comprimidos para aliviar o “mal-estar” ou fazer algo que, geralmente, se tem medo. “Mudar de hábitos alimentares e estilo de vida”, observou, acrescentando que deixou o “sedentarismo, a preguiça” de lado, deixou de comer “tudo e qualquer coisa” para passar a ter uma alimentação à base de vegetais e a praticar exercícios físicos como yoga.
Hoje, a vegetariana admitiu que busca o “mais natural possível dentro das limitações que encontra”, deixando claro que, agora, não sente aptidão para comer carne nem peixe, convicta que só se come “esses alimentos” por causa dos temperos e o sabor que conferem à carne, alegando que se pode ter os mesmos numa alimentação vegetariana.
De acordo com a comunicóloga, quando se pensa em mudanças ou padrão diferente surge o “medo do novo e do desconhecido”, por pensar que sem carne, como ter proteínas, sem peixe como ter ômega-3, e sem o leite como ter cálcio, salientando que ao cortar carne, peixe e lacticínios resta uma “infinidade de possibilidades”.
Por isso, Suzilene Andrade criou a página “Cabo Veggie”, para partilhar com outras pessoas que é possível ser “vegetariano e ser saudável”.
Em Cabo Verde, afirmou, é “mais difícil” seguir uma alimentação vegetariana, principalmente, na ilha do Sal onde reside, actualmente, pois que “nada ou pouco” se produz, “mas é possível”, realçou acrescentando que “se for em restaurantes, é mais complicado, tem menos opções. 95% ou mais restaurantes não tem opções vegetarianas, além da tradicional salada”.
Por seu turno, o vegetariano residente na ilha de São Vicente, João Branco, disse que há cerca de dois anos que aderiu a “este estilo de vida” por influência de uma artista brasileira vegetariana que estava em Cabo Verde a fazer estágio, no Mindelact.
“Como almoçamos sempre juntos, via a comida dela e eu achava sempre que a comida dela tinha melhor aspecto do que as dos outros que são, normalmente, carnívoras. Portanto decidi experimentar e ver como ia adaptar, gostei e nunca mais quis outra coisa”, assegurou o gestor cultural, realçando que ter adoptado a dieta vegetariana está, também, ligada à saúde.
“Sofria bastante de gastrite, tinha muitas dores no estômago, que fazia-me parar no banco de urgência” observou João Branco, salientando que desde que optou por esta dieta nunca mais sentiu “rigorosamente” nada, melhorando todo o seu sistema digestivo.
João Branco acredita que, em Cabo Verde, a opção de refeições vegetarianos, na “maioria” dos restaurantes, seja “bastante complicada” de dar vazão.
Enquanto isto, a nutricionista Doralene da Cruz disse que ao levar uma vida vegetariana se tem menos consumo de alimentos ricos em colesterol e gordura saturada e que a dieta passa a ser mais rica em fibra, vitaminas e minerais, alertando, contudo, que deve ter cuidado ao seguir uma dieta vegetariana, já que há nutrientes que estão “mais” disponíveis em alimentos de origem animal.
Normalmente, avançou a nutricionista, há pessoas que devem fazer suplementação porque não conseguem atingir só com a dieta vegetariana, por isso aconselhou aos vegetarianos, a procurarem sempre um acompanhamento de um profissional.
O Dia Mundial do Vegetarianismo foi estabelecido em 1977 pela Sociedade Vegetariana Norte Americana.

Dans la même catégorie