GNA Speaker Bagbin condemns unruly parliamentary behaviour APS SÉDHIOU : 42 KILOS DE CHANVRE INDIEN SAISIS À BALMADOU (POLICE) GNA WACCE to empower women against violent extremism GNA NGO supports flood victims in the Upper East Region GNA FDA declares zero tolerance for unregistered products GNA High Court remands man who stabs 19-year-old to death GNA Judge appeals to Legal Aid to defend MP’s killers GNA Prof Benneh’s murder case: police to correct defects in charge sheet GNA Bagbin: I won position of Speaker by majority vote GNA TMA cleans filth generated by satellite markets in schools

Mau Tempo/Capitão dos Portos pede maior precaução aos proprietários de pirogas para evitar tragédias no mar


  14 Janvier      8        Société (27308),

   

Bissau 14 Jan 21 (ANG) – O Capitão dos Portos da Guiné-Bissau apelou maior precaução aos proprietários das pirogas de transporte de pessoas e bens para as ilhas,  de forma a evitar tragédias no alto mar neste período de ventos fortes.

Siga Batista, em entrevista à ANG, disse que a missão da sua instituição é de zelar pela segurança de pessoas e bens no mar, afirmando que na Guiné-Bissau, com a exceção de Abril à Junho todos os restantes meses são preocupantes para  a navegação marítima inter- ilhas.

Aquele responsável adiantou que actualmente a preocupação da sua instituição aumenta mais, por causa dos ventos fortes que dificultam a visibilidade na navegação com pirogas, por falta de  aparelhos  de orientação das trajetórias  no mar.

Para Batista, todo o cuidado é pouco neste período no mar, por isso apela o  re
dobrar de  esforços em todos os portos com  medidas já em vigor.

Recomenda que   as pirogas devem levar metade da sua lotação, e dispor de coletes de salva-vidas para todos os passageiros, orientação que diz estar a ser acatada  por parte dos usuários das pirogas.

Frisou que os trabalhos do Instituto Marítimo Portuário acabam nos portos e que, ao longo da viagem, cabe aos capitões és das pirogas e outras embarcações  tomarem diligências para evitar o perigo.

Afirmou que a sua instituição trabalha mais na componente de sensibilização das pessoas usuárias do mar, e disse que esta técnica tem dado  frutos uma vez que, comparativamente ao  2019, em que houve mais de 20 mortes por diferentes situações no mar,  2020, sem citar  números, teve menos mortes, o que  considerou de positivo, apesar de lamentar as perdas humanas registadas

Dans la même catégorie