AGP Boké/société: Une femme enceinte tuée et décapitée par un cultivateur AGP Société/Présidentielle 2020 : Le CNOSC-DDG prône l’égalité de chance entre les candidats AGP Matam/collectivité: Vers l’élaboration d’un plan de développement local de la commune AIP Visite d’Etat: Les cadres de Bonon remettent au sous-préfet leur livre blanc AIP Des kits scolaires aux meilleurs élèves du canton Fléo de Guiglo AIP Un collège de proximité ouvert à Bonguéra AIP Visite d’Etat: Les chefs traditionnels de Zuénoula plaident pour de meilleurs conditions de travail. AIP Le député de Tengrela promet une cantine pour les élèves du collège de San AIP L’IEP de Tengrela appelle les écoles islamiques à adopter le programme franco-arabe ATOP DES ORGANISMES FORMES A ATAKPAME

Ministério das Finanças/Sindicato exige desbloqueamento de salários de mais 700 funcionários


  9 Septembre      14        Economie (9706),

   

Bissau,09 Set 20(ANG) – Os trabalhadores do Ministério das Finanças exigiram na terça-feira ao ministro das Finanças, João Alage Mamadu Fadia o “desbloqueamento imediato” de salários de mais de 700 funcionários que estiveram em greve em Agosto.

Na sequência dessa exigência, os dois sindicatos (do ministério das Finanças e o do da Direção-geral do Tesouro e Contabilidade Pública) que representam os funcionários daquela instituição alertaram que se o ministro não desbloquear os salários dos funcionários, a greve nunca será suspensa.

A exigência dos sindicatos foi tornada pública em conferência de imprensa , na qual o porta-voz dos dois sindicatos, Malam Home Indjai,  denunciou que  o ministro das Finanças  instaurou processos contra funcionários e bloqueou salários de todos os trabalhadores que aderiram à greve, embora tenha esclarecido que quando os salários estavam a ser processados só tinham observado três dos trinta dias da paralisação.

Malam Home Indjai considerou ser “ilegais e infundadas” as alegações do ministro para bloquear os salários dos mais de 700 funcionários que aderiram à greve “legalmente convocada pelos seus legítimos representantes “.

Chamou, por isso, atenção à ministra da Função Pública, Trabalho, Emprego e Segurança Social, Maria Celina Vieira Tavares, enquanto única instituição competente para gerir os problemas dos recursos humanos, para intervir  na resolução dos problemas e de atos cometidos “de forma incompetente” pelo ministro das Finanças.

O porta-voz acusou João Alage Mamadu Fadia de ter feito uma requisição civil, recorrendo a seus colegas reformados do banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO) e dos bancos comerciais, apesar de terem atingido a idade de reforma (mais de 60 anos) para prestar serviço, em substituição dos funcionários que, o ministro, “imbuído de má fé”, chamou de estagiários e contratados como forma de intimidá-los porque aderiram à paralisação.

Por outro lado Malam denunciou que o ministro Fadia tem recorrido a um cidadão de Costa de Marfim para “invadir” o sistema integrado de gestão dos recursos humanos da administração pública e bloqueou os salários durante as duas vagas de greve “aderida massivamente pelos trabalhadores”.

“Este cidadão da Costa de Marfim tem firmado um contrato com o Ministério das Finanças e, em consequência, aufere um salário de cinco milhões (5.000.000) de francos CFA, uma soma superior ao salário do primeiro-ministro da Guiné-Bissau”, revelou.

O porta-voz apelou aos trabalhadores efetivos, contratados e estagiários do ministério das Finanças a encararem a luta de forma massiva para combater, com eficácia, as “ilegalidades e arbitrariedades cometidas pelo ministro das Finanças, João Alage Mamadu Fadia”.

Dans la même catégorie